Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Meninas sequestradas de escola na Nigéria aparecem em vídeo do Boko Haram

Nas imagens, obtidas pela rede americana CNN, quinze meninas vestidas com um chador negro, o véu islâmico que deixa apenas o rosto descoberto, falam seus nomes e onde estudavam

Um vídeo enviado pelo grupo jihadista Boko Haram às autoridades nigerianas mostra adolescentes que pertencem ao grupo de mais de 200 meninas sequestradas de uma escola na cidade de Chibok, no estado de Borno, há dois anos. Nas imagens, obtidas pela rede americana CNN, quinze meninas vestidas com um chador negro, o véu islâmico que deixa apenas o rosto descoberto, falam seus nomes e onde estudavam.

O vídeo foi exibido na capital de Borno, Maiduguri, a mães de várias estudantes desaparecidas, segundo o jornal nigeriano Premium Times. Três das mães das estudantes sequestradas de Chibok afirmaram ter identificado suas filhas no que pode ser o primeiro vídeo das meninas desde maio de 2014, dois meses após o ataque à escola, quando o Boko Haram divulgou outra filmagem, informaram veículos de imprensa locais.

O vídeo foi realizado pelos terroristas em dezembro e enviado ao governo de Borno, um dos estados nigerianos mais atingidos pelas ações dor Boko Haram. “Estou falando em 25 de dezembro de 2015, em nome de todas as meninas de Chibok e estamos bem”, diz uma das garotas à câmera.

Leia mais:

Participação de crianças em ataques suicidas do Boko Haram disparou, alerta Unicef

Boko Haram queima crianças vivas na Nigéria

As autoridades locais advertiram que é necessário realizar mais identificações, já que no passado os radicais deram pistas falsas que não permitiram conhecer o paradeiro e nem resgatar as sequestradas até o momento.

Sequestro – Em 14 de março de 2014, homens do Boko Haram invadiram uma escola na cidade de Chibok e sequestraram 276 meninas. Nos meses que se seguiram ao ataque, dezenas de adolescentes conseguiram escapar dos terroristas, mas mais 200 garotas ainda estão desaparecidas. As meninas sequestradas, algumas com menos de 10 anos de idade, são obrigadas a se casar com os membros do grupo extremista.

Na terça-feira, dia 12, a Unicef divulgou um relatório com dados alarmantes sobre a atuação do Boko Haram na Nigéria e seus países vizinhos. O número de crianças usadas em ataques suicidas dos terroristas disparou e mais de três quartos dos atentados com crianças promovidos pelo grupo extremista em 2015 foram realizados por meninas.

(Da redação)