Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Membro do Khmer Vermelho é condenado à prisão perpétua

Kaing Guek Eav, conhecido como Dutch, era o chefe torturador de uma das prisões do regime que matou mais de um milhão de pessoas no Camboja

Por Da Redação 3 fev 2012, 02h15

O Tribunal Internacional do Camboja condenou à prisão perpétua nesta sexta-feira o chefe torturador do Khmer Vermelho, Kaing Guek Eav, na apelação da pena de 35 anos imposta em 2010 pela morte de cerca de 16 mil pessoas na prisão que dirigiu durante o regime que exerceu o poder no país entre 1975 e 1979.

O juiz da Suprema Corte, Kong Srim, aumentou a condenação por declará-lo culpado também de extermínio, depois de anular a compensação pelo tempo passado na prisão sem julgamento e desprezar o peso dos atenuantes expostos pela defesa. “Os crimes cometidos por Kaing Guek Eav estão entre os piores da história. Merecem a pena mais dura que existir”, disse o juiz.

Leia também: ‘Comida era mais importante que Deus’, conta sobrevivente

Kaing Guek Eav, conhecido como Duch, havia recorrido da sentença, reduzida a 30 anos para compensar o período de detenção ilegal, e pedira a absolvição apesar de ter reconhecido sua culpa nos crimes. Durante a apelação, seus advogados assinalaram que o tribunal não tem jurisdição para processar seu cliente, por considerar que este não exerceu um cargo de destaque na ditadura nem foi o responsável direto pelos crimes cometidos dentro da prisão, na qual, de acordo com a defesa, se limitou a cumprir ordens.

Atrocidades – A Promotoria também recorreu da decisão para pedir prisão perpétua, apesar de no final do julgamento ter proposto 40 anos de cadeia. Duch é o primeiro condenado entre as destacadas autoridades do Khmer Vermelho implicadas nas atrocidades cometidas durante o regime que causou a morte de pelo menos 1,7 milhão de pessoas.

Outros três acusados – o ideólogo e número dois da organização, Nuon Chea, o ex-ministro das Relações Exteriores Ieng Sary e o ex-chefe de Estado Khieu Samphan – vêm sendo julgados desde novembro passado. Pol Pot, líder do Khmer Vermelho, morreu em abril de 1998 na base da guerrilha situada em Anlong Veng, no noroeste do Camboja.

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade