Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Medidas de segurança em Israel aumentam após escalada de tensão em Gaza

Troca de tiros durante uma operação das forças especiais israelenses deixou sete palestinos e um soldado hebreu mortos

Israel reforçou nesta segunda-feira, 12, as medidas de segurança perto da Faixa de Gaza, após uma nova escalada de violência no domingo que causou a morte de sete milicianos palestinos e um soldado israelense.

“O Exército israelense reforçou suas tropas no Comando Sul e está preparado para operar com força se for necessário”, indica um comunicado das forças de Israel.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, que estava em Paris por ocasião da comemoração do centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, retornou no domingo durante a noite de urgência para avaliar a situação.

“Não vou retroceder ante uma guerra necessária, mas quero evitá-la se não for indispensável”, disse.

O Ministro de Defesa, Avigdor Lieberman, realizou esta manhã uma avaliação adicional da situação de segurança na principal base do Exército em Tel Aviv com o chefe do Estado Maior israelense, Gadi Eisenkot, o chefe da Inteligência Militar e o da Polícia Militar.

Além disso, devido à situação atual, as escolas das comunidades israelenses próximas a Gaza não abriram hoje e a linha do trem que circula entre as cidades de Ashkelon e Sderot permanece fechada.

Violência

Um soldado israelense e sete palestinos morreram no domingo em uma troca de tiros durante uma operação militar do Estado hebreu na Faixa de Gaza.

As brigadas Ezzedin al-Qassam, braço armado do Hamas, anunciou que a operação foi protagonizada pelas forças especiais israelenses, que tentaram entrar a partir do leste de Khan Yunis, ao sul do território, em um veículo civil.

Depois da troca de tiros, o exército israelense afirmou ter identificado 17 disparos de foguetes a partir da Faixa de Gaza contra Israel. Três projéteis foram interceptados pela defesa antimísseis.

O porta-voz do ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al Qodra, informou que sete palestinos morreram nos confrontos. Entre os mortos está um comandante local das brigadas Ezzedin al-Qassam, identificado como Nur Baraka.

O Hamas, movimento islamita que controla Gaza, denunciou um “ataque covarde israelense”.

A escala da violência aconteceu em um momento de aparente estabilidade da situação em Gaza, depois de meses de confrontos mortais entre palestinos e soldados israelenses perto da barreira de segurança que separa o território palestino de Israel.

Ao menos 228 palestinos, incluindo os sete de domingo, morreram desde 30 de março vítimas de tiros israelenses. As mortes ocorreram principalmente durante as manifestações contra o bloqueio do território por Israel, mas também em ataques israelenses em resposta aos lançamentos de foguetes.

Dois soldados israelenses morreram no mesmo período, incluindo a vítima de domingo.

A violência provoca o temor de uma nova guerra em Gaza, que seria a quarta desde 2008 em um território no qual 2 milhões de pessoas vivem entre os bloqueios de Israel e do Egito, a pobreza e a escassez.

(Com EFE e AFP)