Clique e assine a partir de 8,90/mês

Médico estrangeiro operou Kim Jong-un, diz Coreia do Sul

Um cisto foi removido do tornozelo direito de Kim Jong-un. O tirano vinha sentindo fortes dores no local e ficou sem ser visto durante seis semanas

Por Da Redação - 29 out 2014, 14h40

O sumiço de Kim Jong-un foi resultado de uma cirurgia para remover um cisto, realizada por um médico estrangeiro. A informação foi divulgada pelo serviço de inteligência da Coreia do Sul. A operação no tornozelo teria ocorrido entre setembro e outubro. Depois de ficar um mês e meio longe dos eventos públicos, o ditador coreano reapareceu em imagens divulgadas pelo regime usando uma bengala.

Leia também:

Fundador da Coreia do Norte queria viver 100 anos. Não deu

Sumiço de Kim Jong-un dá origem a rumores sobre golpe

Kim Jong-un libertou americano após ‘reiterados pedidos’ de Obama

No final de setembro, o maior jornal da Coreia do Sul já havia citado a possibilidade de uma cirurgia nos tornozelos ter provocado o desaparecimento de Kim Jong-un. A nova informação, repassada a políticos sul-coreanos nesta semana, detalha que o cisto foi descoberto em maio e teve como causa uma “síndrome do túnel do tarso”, que provoca dores e inchaço.

Continua após a publicidade

A médica Kim So-Yeon, que fez parte da equipe pessoal do avô de Kim Jong-un, Kim Il-sung, disse à rede CNN que o neto herdou vários problemas de saúde, incluindo obesidade. O peso excessivo pode fazer com que o cisto reapareça, apontaram os analistas sul-coreanos.

Leia mais:

Coreias trocam disparos na fronteira

Encontro de militares das Coreias termina sem avanços

Execuções – Os legisladores sul-coreanos também foram informados pelo serviço de inteligência que a turbulência política iniciada com a execução de Jang Song-Thaek, tio e mentor de Kim Jong-un, ainda é sentida no vizinho do norte. Pelo menos dez funcionários do partido comunista teriam sido executados recentemente sob acusações de corrupção, problemas com mulheres ou mesmo de assistir a uma novela sul-coreana. Militares de alta patente também foram afastados de seus postos depois de demonstrarem falta de pontaria em exercícios com peças de artilharia, informou a CNN.

Direitos humanos – Após uma série de acusações relacionadas a violações de direitos humanos, a Coreia do Norte sinalizou pela primeira vez que poderá receber a visita de um inspetor da ONU. A indicação foi dada ao relator especial Marzuki Darusman, que participou da formulação do documento sobre as atrocidades cometidas no país envolvendo homicídios, tortura, escravidão, violência sexual, entre outros abusos.

Continua após a publicidade
Publicidade