Clique e assine a partir de 8,90/mês

Médico de Wuhan é primeira vítima de coronavírus na China em semanas

Hu Weifeng faleceu após quase quatro meses de tratamento; pelo menos seis médicos do Hospital Central de Wuhan morreram desde o início da pandemia

Por Da Redação - Atualizado em 2 jun 2020, 09h14 - Publicado em 2 jun 2020, 09h08

Um médico que tratava de pacientes com Covid-19 morreu nesta terça-feira, 2, em Wuhan, na China, após contrair a doença. Segundo a imprensa estatal, Hu Weifeng faleceu após quase quatro meses de tratamento.

Hu é a primeira vítima do coronavírus confirmada na China em semanas. O urologista fazia parte da equipe de Li Wenliang, o médico que tentou alertar o público sobre a epidemia ainda em 2019 e foi silenciado pelas autoridades. Li também morreu após contrair a Covid-19.

Pelo menos seis médicos do Hospital Central de Wuhan morreram. O caso de Hu ganhou destaque nacional nas últimas semanas, depois que a imprensa local divulgou imagens do médico com a pele escurecida, sintoma causado por danos no fígado.

A Comissão Nacional de Saúde da China informou nesta terça que o país detectou cinco novos casos de contágio pelo coronavírus na segunda-feira 1, o que marca uma redução em relação aos dezesseis relatados no domingo, dia com o maior número desde meados de maio.

Os cinco casos registrados até a meia-noite local (13h de segunda-feira em Brasília) se referem, segundo as autoridades, a viajantes do exterior. Eles ocorreram nas província de Sichuan (2), Xangai, Cantão e Shaanxi.

Além disso, a comissão disse que oito pacientes receberam alta no tratamento contra o coronavírus, e com isso o número de pessoas infectados atualmente na China é de 73, das quais três estão em estado grave.

O total de óbitos no país é de 4.638, e o de casos de contágio chegou a 84.160 desde o início da pandemia, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. A grande maioria das pessoas infectadas – 79.398 – está curada.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade