Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Manifestantes no Haiti pedem renúncia do presidente Préval

Segundo turno de eleição que elegerá seu sucessor acontece em 20 de março

Por Da Redação 7 fev 2011, 17h21

Cerca de 200 haitianos que exigiam a renúncia imediata do presidente René Préval queimaram barricadas e apedrejaram policiais e forças da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira em Porto Príncipe. A tropa de choque da polícia local fez disparos para o alto na tentativa de dispersar os manifestantes, que gritavam “Préval tem de ir” enquanto incendiavam pneus e pilhas de lixo numa praça no centro da capital.

O segundo turno da eleição que escolherá o sucessor de Préval será disputado em 20 de março, embora oficialmente o mandato do presidente tenha terminado nesta segunda-feira, 7 de fevereiro. A ex-primeira-dama Mirlande Manigat – casada com o ex-presidente haitiano Leslie Manigat (1988) – concorre com Michel Martelly, um dos músicos mais populares do país.

O Parlamento aprovou que Préval continue no cargo até 14 de maio, mas alguns adversários sugerem que ele renuncie para dar lugar a um governo provisório. “Hoje ao meio-dia o mandato de Préval termina. Ele não será mais o presidente constitucional. Vamos bloquear todo o país para fazê-lo ir embora”, disse o manifestante Michel Frederick, de 40 anos.

Sob forte pressão internacional, o Conselho Eleitoral Provisório do Haiti anunciou na quinta-feira que Manigat e Martelly disputarão o segundo turno. Inicialmente, as autoridades haviam indicado o candidato governista Jude Célestin como segundo colocado no pleito de 28 de novembro, no lugar de Martelly. Mas especialistas da Organização dos Estados Americanos (OEA) apontaram irregularidades em favor de Célestin, que acabou sendo desqualificado.

O Haiti, país mais pobre das Américas, ainda se recupera do devastador terremoto de janeiro de 2010, e enfrenta uma epidemia de cólera. Politicamente, a situação se complicou nos últimos meses com o retorno ao país do ex-ditador Jean-Claude Duvalier e com rumores de que o ex-presidente Jean-Bertrand Aristide, derrubado por uma revolta popular em 2006, também retornará do exílio.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês