Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Malvinas provocam confronto entre policiais e ex-militares

Ex-soldados querem ser considerados veteranos de guerra; 24 foram presos

Por Da Redação 14 fev 2012, 15h02

Ex-soldados argentinos que pedem para ser reconhecidos como veteranos da Guerra das Malvinas entraram nesta terça-feira em confronto com a polícia durante um protesto na Avenida Nove de Julho, a principal de Buenos Aires. Os militares aposentados arremessaram pedras contra os policiais, que responderam com gás lacrimogêneo. Pelo menos 24 manifestantes foram detidos. Ao menos três policiais ficaram feridos, afirmou a TV local.

Leia também:

Leia também: Argentina aceita oficialmente mediação da ONU sobre Malvinas

Entenda o caso

  1. • As Ilhas Malvinas – Falkland, em inglês – ficam a cerca de 500 quilômetros do litoral argentino, mas são administradas e ocupadas pela Grã-Bretanha desde 1883.
  2. • O arquipélago sempre foi motivo de tensão entre os dois países, até que em 1982 o ditador argentino Leopoldo Galtieri comandou uma invasão ao território.
  3. • O governo britânico reagiu rapidamente, enviando às ilhas uma tropa quase três vezes maior do que à da Argentina, que se rendeu dois meses depois.
  4. • Na guerra morreram 255 militares britânicos e mais de 650 argentinos.

Leia mais no Tema ‘Ilhas Malvinas / Falkland’

Os manifestantes pedem para ser reconhecidos como veteranos de guerra porque cumpriam o serviço militar obrigatório quando começou o conflito entre Argentina e Grã-Bretanha pelas Malvinas, em 1982. Eles foram deslocados para o sul do país, região próxima ao arquipélago, mas não chegaram a participar de combates.

Continua após a publicidade

“Há anos estamos reivindicando, de forma pacífica. Trabalhamos, nos reunimos, e esclarecemos permanentemente nosso projeto”, disse Jorge Cañete, um dos manifestantes. “Não podemos fazer projetos internacionais quando há projetos internos que ainda não foram resolvidos. Nós não somos ex-combatentes, mas somos participantes. Somos parte da história”, argumentou.

Protesto – Os manifestantes, vários deles vestidos com os tradicionais uniformes do Exército, tinham fechado a Avenida Nove de Julho, na noite de segunda-feira. Na manhã desta terça, eles deixaram o trânsito fluir, mas, duas horas depois, voltaram a interromper a via.

Os confrontos começaram depois de os policiais tentarem expulsar os manifestantes com um caminhão-pipa, a cerca de 400 metros do Obelisco. Segundo Jorge Cañete, a reação policial foi “exagerada”. Ele afirmou que “é a primeira vez que é realizado um ato, reprimido brutalmente”.

O protesto coincide com um momento de tensão entre a Argentina e Grã-Bretanha pela soberania das ilhas, quando se aproxima o 30º aniversário do início da guerra na qual morreram quase 900 pessoas. O conflito, vencido pelos britânicos, ocorreu entre abril e junho de 1982.

Manifestante argentino ficou com rosto ensanguentado durante os confrontos
Manifestante argentino ficou com rosto ensanguentado durante os confrontos VEJA

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade