Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Maliki diz que escolha de substituto ‘não tem validade’

Quando já se pensava que a transição de governo no Iraque seria tranquila, diante da perda de apoio do premiê, Maliki retoma tom desafiador e afirma que só deixará o cargo se a Justiça assim o determinar

Por Da Redação 13 ago 2014, 08h26

Cada vez mais isolado politicamente, Nouri al Maliki afirmou nesta quarta-feira que a nomeação de Haidar al Abadi para substitui-lo como primeiro-ministro do Iraque viola a Constituição e “não tem validade”. Em discurso semanal transmitido pela TV, o premiê em fim de mandato afirmou que não deixará o poder até que a Justiça decida sobre uma objeção apresentada por ele à nomeação feita pelo presidente Fouad Massoum. “A violação que ocorreu não tem valor e suas consequências não têm efeito. Este governo continua e não será mudado exceto depois de a Corte Federal tomar sua decisão”, disse Maliki.

Leia também:

Irã apoia indicação de novo primeiro-ministro iraquiano

EUA prometem mais ajuda ao Iraque após formação de novo governo

Vídeo flagra desespero de pessoas tentando fugir de terroristas

Nesta semana, Estados Unidos e Irã aprovaram a escolha de Abadi como novo premiê do Iraque. A perda de apoio até mesmo dentro do próprio partido levou Maliki a dizer que as forças de segurança que ele havia deslocado para pontos estratégicos da capital Bagdá na segunda-feira – em um movimento que foi interpretado como a preparação de um golpe – deveriam ficar fora da política. Isso trouxe esperanças de que a transição no país poderia ocorrer com tranquilidade e o debate passou a ser sobre como ele deixaria o posto.

No entanto, o discurso desta quarta reforça a resistência do xiita em deixar o cargo que ocupa há oito anos. A TV estatal iraquiana informou que Abadi está trabalhando na formação de um novo gabinete e desenvolvendo um programa de governo em acordo com vários blocos políticos.

Reeleito em 2010, Maliki até ensaiou um governo de coalizão, convocando ministros curdos e sunitas para o seu gabinete. Não demorou para a farsa cair. Em 2012, ele afastou os políticos sunitas e, no início deste ano, entrou em atrito também com os curdos. (Continue lendo o texto)

Continua após a publicidade

Armas aos curdos – O governo francês anunciou nesta quarta que vai enviar armas às forças curdas, conhecidas como peshmergas, que estão enfrentando os terroristas do Estado Islâmico no norte do Iraque.

Leia mais:

Saiba quais os povos perseguidos pelos jihadistas no Iraque

Um comunicado divulgado pelo gabinete do presidente François Holande afirma que a decisão foi tomada “em resposta à urgente necessidade expressada pelas autoridades regionais do Curdistão”. A França afirma ainda que o envio das armas foi autorizado por autorizades em Bagdá.

Também há informações de que os Estados Unidos começaram a enviar armamentos para os peshmergas, apesar de não haver uma confirmação oficial sobre isso. Nesta terça, o governo americano anunciou que enviou mais 130 conselheiros militares para a região do Curdistão para ajudar a enfrentar o caos provocado pela selvageria dos jihadistas do EI, que não hesitam em usar a violência para liquidar todos os que aparecem em seu caminho e são considerados “infiéis”.

Os fuzileiros navais e integrantes de forças de operações especiais não serão envolvidos em combate, afirmou os EUA, que iniciaram ataques aéreos contra os terroristas na última semana no norte do Iraque.

(Com agências Reuters e EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade