Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mais de 60% dos navios envolvidos em tráfico ilegal são de países ricos

Por Da Redação - 30 Jan 2012, 12h23

Copenhague, 30 jan (EFE).- Mais de 60% dos navios envolvidos em casos de tráfico de drogas, armas e equipamentos militares são de propriedade de companhias com base em países da União Europeia (UE), Otan e outros da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A informação é de um relatório divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (Sipri), que leva em conta todos os casos de incidentes com navios de mais de 100 toneladas brutas registrados nos últimos 20 anos.

A Alemanha lidera a lista, com 19,5%, seguida pela Grécia (10,6%), Estados Unidos (7,8%), Coreia do Norte (4,8%), Panamá (4,3%), Irã (3%), Noruega (2,4%), Rússia (2,4%), Belize (1,9%), Holanda (1,9%), Dinamarca (1,7%) e Japão (1,7%).

‘Isto não significa que os donos dos navios, ou inclusive os capitães, saibam o que levam. É relativamente fácil para os traficantes esconderem armas e drogas no meio de cargas legais’, informou um dos coautores do relatório, Hugh Griffiths.

Continua após a publicidade

Entre os métodos usados pelos traficantes estão esconder suas mercadorias em containers fechados que levam produtos legais, enviá-las em navios estrangeiros que atuam de forma legal, ou usar rotas que dificultem as operações de vigilância, de acordo com o relatório.

Nos casos em que os donos, operadores e capitães parecem estar envolvidos diretamente na tentativa de contrabando, os navios costumam ser antigos e navegam sob bandeiras de conveniência. EFE

Publicidade