Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mais de 60.000 sírios fugiram do país pela crise, diz Acnur

Apesar de trégua, tropas de Assad continuam o bombardeio a Homs nesta 6ª

Por Da Redação
20 abr 2012, 06h58

Cerca de 61.000 sírios deixaram o país no último ano por causa do conflito e são assistidos em quatro países da região – Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia -, anunciou nesta sexta-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnur). A Turquia é a nação vizinha que mais acolhe refugiados, cerca de 24.000; seguida por Líbano, com 21.000; Jordânia, com 13.750; e Iraque, com 2.400.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram mais de 9.400 pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

O Acnur também alertou que a chamada humanitária lançada pela ONU para cobrir as necessidades de assistência na Síria só obteve 20% dos 84 milhões de dólares solicitados, o que deixa toda a operação em uma situação ‘crítica’.

Violência – Também nesta sexta-feira, as tropas do regime sírio bombardearam a cidade de Homs, reduto opositor situado no centro do país, apesar do cessar-fogo em vigor. Segundo a oposição, os bombardeios são mais intensos do que nos últimos dias. Além disso, as forças sírias dispararam e prenderam ativistas na cidade de Anjel, na província meridional de Deraa, enquanto foram registradas explosões na cidade de Duma, nos arredores de Damasco, acrescentou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) em comunicado.

Continua após a publicidade

Diplomacia – A nova jornada de violência acontece um dia depois de os rebeldes do Exército Livre Sírio (ELS) terem pedido a formação de uma aliança militar dos países aliados que intervenha de forma pontual na Síria, diante da recusa do regime sírio em cumprir o fim das hostilidades. Enquanto isso, continua na Síria a missão de observadores da ONU, encarregada de verificar o cumprimento do plano de paz do mediador internacional Kofi Annan, que inclui o fim da violência, o recuo militar das cidades e o início de um diálogo político, entre outros pontos.

A ONU e Damasco assinaram na quinta-feira o acordo que fornecerá as bases para o desdobramento de até 300 boinas azuis que supervisionarão o cessar-fogo no país, em vigor desde a última semana. Desde então, a violência sofreu uma redução, mas não desapareceu de forma completa, em um clima de contínuas acusações entre ambas as partes.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.