Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais de 350 meninos soldados são libertados na República Centro-Africana

A libertação faz parte de um acordo entre as milícias locais e a Unicef. A crise que atinge o país já afetou mais de 6.000 crianças, segundo a ONU

Mais de 350 meninos soldados centro-africanos, incluindo menores de 12 anos, foram libertados nesta quinta-feira por grupos armados na República Centro-Africana. As milícias consentiram com a liberação das crianças no início desse mês, após um acordo ser assinado com a Unicef. Durante as reuniões na capital Bangui, as facções rivais também concordaram com uma tentativa de cessar-fogo e processo de desarmamento dos grupos.

“Após dois anos de intensos combates, a libertação dos meninos por estes grupos é um verdadeiro passo para a paz”, declarou o representante do Unicef na capital Bangui, Mohamed Malick Fall. “A violência e o sofrimento agora pode dar passagem a um futuro melhor para estas crianças”, completou.

Leia também:

Funcionário da ONU é suspenso por divulgar abuso sexual de crianças por tropas francesas

Hollande promete ser ‘implacável’ com soldados que estupraram crianças africanas

ONU considera irregular afastamento de diretor que vazou documento sobre abusos

As 357 crianças foram libertadas durante várias cerimônias realizadas pelas milícias ‘antibalaka’ (antimachete ou antiespada, na língua local, uma milícia majoritariamente cristã) e pelo movimento Seleka (majoritariamente muçulmano), na região de Bambari, centro da República Centro-Africana. Ambos os grupos vem lutando pelo controle interno do país, desencadeando milhares de mortes e o deslocamento de centenas de milhares de civis.

A crise arrasa a república africana há mais de dois anos e já atingiu entre 6.000 e 10.000 crianças, que fazem parte dos grupos armados atuantes, segundo estimativas da ONU. A última tentativa de golpe, lançada pela aliança Seleka em 2013, terminou com a deposição do presidente François Bozizé. Em 2014, o presidente interino Michel Djotodia, incapaz de conter os conflitos internos, renunciou ao cargo.

Para Fall, a libertação dos 357 jovens “é o começo de um processo que, esperamos, concluirá com a libertação de milhares de crianças ligadas aos grupos armados” no país. “Todos terão necessidade de um amplo apoio e proteção para poder reconstruir suas vidas e recuperar a infância”, disse. Assistentes sociais tentarão reunir as crianças com suas famílias “quando as condições de segurança permitirem”, afirmou a Unicef.

(Da redação)