Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mais de 135 mortos em naufrágio na Tanzânia, dizem autoridades

Embarcação estava sobrecarregada de passageiros e carga; resgates foram retomados nesta sexta

Ao menos 136 pessoas morreram no naufrágio de quinta-feira de uma balsa na Tanzânia, no lago Victoria, de acordo com um balanço atualizado após a retomada dos trabalhos de busca. Centenas de outras pessoas ainda podem estar desaparecidas.

A balsa MV Nyerere naufragou na quinta-feira com quase 200 passageiros a bordo – o dobro de sua capacidade – perto da ilha de Ukara, ao sul do lago que é o maior da África.

As operações de resgate foram suspensas durante a noite de quinta-feira e retomadas nesta sexta-feira.

A embarcação também transportava mercadorias quando naufragou, perto do cais da ilha de Ukara. A causa do acidente não foi determinada até o momento, mas naufrágios deste tipo são frequentemente atribuídos a sobrecarga.

De acordo com testemunhas citadas por um canal de televisão estatal, 200 pessoas subiram na balsa na ilha de Bugorora. Era um dia dedicado ao mercado e vários passageiros estavam com mercadorias.

“Não sei nada sobre meu pai e meu irmão mais novo, que estavam na balsa. Eles foram ao mercado de Bugorora para comprar uniformes do colégio e material escolar para o ano letivo”, afirmou Domina Maua, uma das pessoas que procuravam informações sobre parentes.

O presidente John Magufuli manifestou “profunda tristeza” com o desastre e pediu aos moradores que “permaneçam tranquilos em um momento difícil”. A oposição acusou o governo de negligência.

“Muitas vezes alertamos para as condições ruins das balsas, mas o governo ignorou. Várias vezes denunciamos esta negligência”, disse John Mnyika, líder do Chadema, principal partido de oposição.

Mnyika disse que sobrecarga na embarcação reflete “outra falha das autoridades” e criticou os trabalhos de resgate “insuficientes”.

Há seis anos, 144 pessoas morreram ou foram consideradas desaparecidas quando uma balsa sobrecarregada naufragou na ilha de Zanzibar.

(Com AFP)