Clique e assine a partir de 9,90/mês

Mais americanos morreram de Covid-19 do quem em quatro guerras

Somadas, as guerras na Coreia, Vietnã, Afeganistão e Iraque tiveram 101.876 óbitos, o vírus vitimou 129.545 pessoas

Por Da Redação - Atualizado em 30 Jun 2020, 13h00 - Publicado em 30 Jun 2020, 12h37

Mais americanos morreram devido à pandemia de Covid-19, a doença causada pelo coronavírus, do que nas guerras da Coreia, Vietnã, Afeganistão e Iraque somadas. Até o momento, os Estados Unidos registraram 129.545 mortes em virtude da doença.

Na guerra da Coreia (1950-1953), no âmbito de Guerra Fria, 37.000 americanos morreram. No Vietnã (1955-1975), 58.000. Na guerra do Afeganistão, na qual os Estados Unidos invadiram o país na esteira dos atentados de 11 de Setembro em 2001, foram 2.445 americanos mortos. No Iraque (2001-2004), que teve o objetivo de depor o ditador Sadam Hussein, foram 4.431 soldados. Ao todos, houve 101.876 mortes em guerras, segundo levantamento feito pela rede de televisão CNN.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

O número de americanos mortos pela Covid-19 nos Estados Unidos também é maior que os números da I Guerra Mundial, quando 116.516 americanos morreram em combate.

Não por acaso, os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com um total de 2.682.897 infectados, ao menos 25% da cifra global. Além do irreparável custo humano, a economia foi densamente atingida. Enquanto os grandes centros, os mais castigados, veem uma diminuição no número de casos e óbitos, as cidades no interior começam a sentirem o impacto do vírus com diagnósticos crescentes todos os dias.

Continua após a publicidade

Em meio as medidas de relaxamento, o número de casos semanais nos Estados Unidos cresceu em cerca de 25%. Os três estados mais populosos do país — Califórnia, Texas, e a Flórida — quebraram simultaneamente seus respectivos recordes de casos diários, na terça-feira 23.

A economia também foi atingida. Semana após semana, o país registra milhões de novas pessoas sem emprego, além das projeções nada animadoras do Fundo Monetário Internacional (FMI), que projeta uma contração de 8% no Produto Interno (PIB) do país somente neste ano, enquanto a média global ficará em -4,9%.

Ao todo, o vírus já infectou 10.424.992 no mundo e matou 509.706 pessoas. Despontando em segundo lugar está o Brasil, com 1.368.195 casos e 58.314 óbitos.
Publicidade