Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Maior usina nuclear da Europa pega fogo após ataque russo

Segundo chanceler, radiação na usina é 'normal', mas, caso haja uma explosão, impacto seria 10 vezes maior que desastre de Chernobyl

Por Caio Saad Atualizado em 3 mar 2022, 23h22 - Publicado em 3 mar 2022, 22h12

Um incêndio foi registrado na noite desta quinta-feira, 3, na usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, a maior da Europa. O fogo começou após um ataque de tropas russas, de acordo com informações publicadas nas redes sociais pelo prefeito de Energodar, onde fica a usina.

A localização exata do incêndio dentro do complexo da usina ainda não é clara. 

“Como resultado do contínuo bombardeio inimigo contra prédios e unidades da maior usina nuclear da Europa, a usina nuclear de Zaporizhzhia está pegando fogo”, disse Orlov em seu canal no Telegram, citando o que chamou de “ameaça à segurança mundial”.

Em outra publicação, Orlov afirmou que bombeiros ainda não conseguem chegar ao foco do incêndio. De acordo com o político,  há vítimas, mas que ainda não podem ser contabilizadas, dadas as circunstâncias.

O ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, acusou soldados russos de atirarem “de todos os lados”, incluindo contra os bombeiros que tentam controlar o incêndio. Em publicação no Twitter, ele afirmou que a medição de radiação na usina “é atualmente normal”, mas que, caso haja uma explosão, o impacto seria dez vezes maior do que o do acidente na usina de Chernobyl.

Trinta e um trabalhadores da usina e bombeiros morreram logo após o desastre de 1986, principalmente de doença aguda causada pela radiação. Outros milhares mais tarde sucumbiram a doenças relacionadas à radiação, como o câncer, embora o número total de mortes e os efeitos à saúde de longo prazo continuem sendo um assunto de intenso debate.

Continua após a publicidade

O porta-voz de Zaporizhzhia, Andrii Tuz, indicou ainda que a unidade estava conectada à rede há uma semana e há alguns dias foi colocada em um estado de manutenção programada.

“O combustível nuclear está dentro do reator nuclear. Ainda não foi descarregado. Além disso, há uma piscina de armazenamento e reabastecimento de combustível nuclear no salão central, que também contém conjuntos de urânio e combustível nuclear”, descreveu, enfatizando o perigo do rompimento da tampa selada.

A Agência Internacional de Energia Atômica, ligada às Nações Unidas, pediu que as tropas russas e ucranianas deixem de combater na área próxima à usina e afirmou que está em contato com autoridades ucranianas para analisar a situação.

Segundo o governo ucraniano, desde o começo desta quinta-feira soldados russos vinham intensificando esforços para assumir o controle da usina. A Rússia já havia capturado a extinta usina de Chernobyl, a cerca de 100 quilômetros ao norte da capital da Ucrânia, Kiev.

O caso se dá em meio aos avanços russos em direção à capital ucraniana e ao cerco a outras cidades. Na noite de quarta-feira, o prefeito da estratégica cidade de Kherson, banhada pelo rio Dnieper e próxima do mar Negro, afirmou que forças russas assumiram controle. Segundo uma testemunha ouvida pela agência de notícias EFE, o centro da cidade “está completamente ocupado por militares russos e veículos blindados pesados”.

Mais a leste, em Mariupol, no Mar de Azov, na região de Donetsk, separatistas pró-russos apoiados pelos militares russos garantiram nesta quarta-feira que as suas forças bloquearam a cidade, de acordo com a imprensa russa.

Mais de 2.000 civis foram mortos desde o início da invasão russa à Ucrânia e centenas de estruturas, como instalações de transporte, hospitais, jardins de infância e prédios residenciais foram destruídos, relatou o serviço de emergência ucraniano na quarta-feira. De acordo com o último relatório militar russo, 1.502 alvos de infraestrutura militar ucraniana foram destruídos desde o início da operação militar na Ucrânia, em 24 de fevereiro. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)