Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Maio foi o mês mais sangrento em cinco anos no Iraque

Segundo dados das missão das Organizações das Nações Unidas (ONU) no país, 1.045 pessoas morreram e 2.397 ficaram feriadas

Por Da Redação 1 jun 2013, 12h21

Maio foi o mês mais sangrento dos últimos cinco anos no Iraque, onde 1.045 pessoas morreram e 2.397 ficaram feridas em atos de agressão, anunciou neste sábado a United Nations Assistance Mission for Iraq (Unami), missão da ONU no país. O aumento fez com que o mês superasse de maneira considerável as 712 mortes registradas em abril.

Segundo a Unami, que não especificou os números entre as cidades, Bagdá ocupou o primeiro lugar. O enviado especial da ONU ao Iraque, o alemão Martin Kobler, expressou sua “profunda tristeza” pelo grande número de vítimas e cobrou mais esforços das autoridades iraquianas para reduzir este quadro.

Leia também:

Novos ataques no Iraque deixam ao menos 13 mortos

Para evitar os erros cometidos no Iraque, EUA adotam cautela na Síria

Continua após a publicidade

Al Qaeda assume autoria de onda de ataques no Iraque

Nesta semana, Kobler advertiu as autoridades do Iraque sobre o risco da consolidação de um “futuro incerto” caso medidas urgentes não sejam adotadas para pôr fim à atual situação. Dessa forma, o enviado especial da ONU pediu aos políticos iraquianos que iniciem imediatamente um diálogo para tirar o país do “beco sem saída” em que se encontra e para que os terroristas “não se aproveitem das diferenças políticas”.

Histórico – Desde a saída definitiva das tropas americanas, em 18 de dezembro de 2011, o Iraque vive um aumento da violência e enfrenta dificuldades com insurgentes e tensão entre as facções xiitas, sunitas e curdas. No início deste ano, os ataques a alvos xiitas por insurgentes islâmicos sunitas ligados a organizações terroristas foram intensificados, em campanha para alimentar a crise entre os dois principais ramos do islamismo e desestabilizar o governo do primeiro-ministro Nouri al-Maliki.

Sob a pressão do crescente número de vítimas e das províncias sunitas que exigem uma reforma federal, Maliki anunciou no último dia 20 de maio uma profunda reforma em sua estratégia de segurança.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês