Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maio foi o mês mais sangrento em cinco anos no Iraque

Segundo dados das missão das Organizações das Nações Unidas (ONU) no país, 1.045 pessoas morreram e 2.397 ficaram feriadas

Maio foi o mês mais sangrento dos últimos cinco anos no Iraque, onde 1.045 pessoas morreram e 2.397 ficaram feridas em atos de agressão, anunciou neste sábado a United Nations Assistance Mission for Iraq (Unami), missão da ONU no país. O aumento fez com que o mês superasse de maneira considerável as 712 mortes registradas em abril.

Segundo a Unami, que não especificou os números entre as cidades, Bagdá ocupou o primeiro lugar. O enviado especial da ONU ao Iraque, o alemão Martin Kobler, expressou sua “profunda tristeza” pelo grande número de vítimas e cobrou mais esforços das autoridades iraquianas para reduzir este quadro.

Leia também:

Novos ataques no Iraque deixam ao menos 13 mortos

Para evitar os erros cometidos no Iraque, EUA adotam cautela na Síria

Al Qaeda assume autoria de onda de ataques no Iraque

Nesta semana, Kobler advertiu as autoridades do Iraque sobre o risco da consolidação de um “futuro incerto” caso medidas urgentes não sejam adotadas para pôr fim à atual situação. Dessa forma, o enviado especial da ONU pediu aos políticos iraquianos que iniciem imediatamente um diálogo para tirar o país do “beco sem saída” em que se encontra e para que os terroristas “não se aproveitem das diferenças políticas”.

Histórico – Desde a saída definitiva das tropas americanas, em 18 de dezembro de 2011, o Iraque vive um aumento da violência e enfrenta dificuldades com insurgentes e tensão entre as facções xiitas, sunitas e curdas. No início deste ano, os ataques a alvos xiitas por insurgentes islâmicos sunitas ligados a organizações terroristas foram intensificados, em campanha para alimentar a crise entre os dois principais ramos do islamismo e desestabilizar o governo do primeiro-ministro Nouri al-Maliki.

Sob a pressão do crescente número de vítimas e das províncias sunitas que exigem uma reforma federal, Maliki anunciou no último dia 20 de maio uma profunda reforma em sua estratégia de segurança.

(Com agência EFE)