Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mãe do ouro nos 400m foi banida de Jogos por causa do apartheid

Odessa Swarts não pôde participar de Olimpíada, mas seu filho, Wayde van Niekerk, foi ouro nos 400 metros nos Jogos de 2016

O atleta sul-africano Wayde van Niekerk bateu o recorde mundial dos 400 metros com a marca de 43,03 segundos na noite de domingo e ganhou a primeira medalha de ouro de seu país na Rio-2016. Sua vitória ficou ainda mais impressionante depois que o mundo conheceu a história de sua mãe, Odessa Swarts, que também foi atleta de alto nível do atletismo, mas não pôde participar de Jogos Olímpicos por causa do apartheid na África do Sul.

Odessa foi uma corredora estrela em seu país nas décadas de 80 e 90, mas foi impedida de competir em grandes eventos esportivos internacionais no auge de sua carreira pelas sanções à África do Sul. A nação foi banida das Olimpíadas de Tóquio em 1964 por se recusar a condenar o apartheid e renunciar à discriminação racial nos esportes. A proibição permaneceu por quase 30 anos, até os Jogos de 1992, em Barcelona.

LEIA TAMBÉM:
Por que ginasta brasileiro felicitou Hypolito e ignorou Nory
Candomblé pode explicar ouro no salto com vara, sugere ‘Le Monde’
Ginasta chamada de gorda reage à crueldade das redes

Após a vitória de seu filho no Rio de Janeiro, Swarts foi lembrada pelo narrador da emissora americana NBC Tom Hammond. “Penso na sua mãe Odessa, que era um atleta de primeira classe, mas teve negada sua chance de competir internacionalmente por causa das regras do apartheid na África do Sul”, afirmou Hammond. “E para a África do Sul […], que está tentando colocar esse passado do apartheid para trás, este será um ponto importante para eles.”

Odessa Swarts e Wayden van Niekerk Odessa Swarts e Wayden van Niekerk

Odessa Swarts e Wayden van Niekerk (Reprodução/Twitter)

Wayde van Niekerk já havia ganhado a medalha de ouro nos 400 metros no Mundial de Atletismo de 2015 e foi o porta-bandeira da África do Sul na abertura dos Jogos Olímpicos de 2016. No Rio, bateu o recorde que pertencia a Michael Johnson há dezessete anos.