Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Mãe de Navalny faz apelo a Putin e exige ver corpo do filho

Maior rival do presidente russo morreu em colônia penal no Ártico há quatro dias; sua família e líderes ocidentais responsabilizaram Putin pelo incidente

Por Da Redação
20 fev 2024, 18h23

Em um apelo ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, a mãe de Alexei Navalny, maior rival do líder russo, pediu que o corpo de seu filho seja liberado pelas autoridades nesta terça-feira, 20, cinco dias depois dele morrer na prisão do Ártico onde estava detido há três anos. Lyudmila Navalnaya afirmou em um vídeo filmado fora da colônia penal conhecida como Lobos Polares que tenta ver o filho há dias, mas não sabe onde ele está. A família foi informada que seu corpo só seria liberado em duas semanas.

“Faz cinco dias que não consigo vê-lo, eles se recusam a me entregar o corpo e nem dizem onde ele está”, disse Lyudmila. “Estou lhe pedindo, Vladimir Putin: tudo depende apenas de você. Deixe-me finalmente ver meu filho. Exijo que o corpo de Alexei seja liberado imediatamente para que eu possa dar-lhe um enterro decente”, completou.

+ Alexei Navalny: quem era o rival político de Putin morto na prisão

Segundo um representante de Navalny, sua mãe foi informada de que o corpo estava sendo detido para “análises químicas”. Até o momento, as autoridades russas não confirmaram seu paradeiro e todos os esforços para localizá-lo foram reprimidos.

Novo envenenamento?

A esposa do crítico de Putin, Yulia Navalnaya, afirmou acreditar que seu marido foi envenenado e alegou que seu corpo seria retido até que os vestígios de qualquer agente tóxico desaparecessem. Em 2020, Navalny sobreviveu a uma tentativa de assassinato pelo mesmo método.

Continua após a publicidade

Em resposta, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, classificou as acusações de “infundadas e vulgares”. Porém, acrescentou que, como Navalnaya ficou viúva há poucos dias, ele não faria mais comentários. 

+ Caso Navalny: jornal diz que corpo tem hematomas, mas não de agressões

“Eu não estou nem aí para o modo como o secretário de imprensa do assassino comenta minhas palavras”, respondeu Yulia ao comentário de Peskov, referindo-se a Putin como “o assassino”. “Devolvam o corpo de Alexei e deixem-no ser enterrado com dignidade. Não atrapalhem as pessoas a se despedirem dele”, completou.

O governo russo também afirmou que uma investigação sobre a morte de Navalny estava em andamento e que “não houve resultados” até o momento. O serviço penitenciário disse que ele “se sentiu mal” depois de uma caminhada e “perdeu a consciência quase imediatamente”. A causa da morte ainda é desconhecida, segundo a mídia local.

Continua após a publicidade

Putin na mira

Na segunda-feira 19, a viúva de Navalny publicou um vídeo na plataforma X, antigo Twitter, onde prometeu continuar o trabalho do marido no ativismo anticorrupção para lutar por uma “Rússia livre”. Ela também discursou na Conferência de Segurança de Munique e na União Europeia, onde pediu que os líderes do bloco não reconheçam as eleições presidenciais russas, marcadas para março, nas quais Putin busca ser reeleito.

+ Sem condenar Putin, Trump usa morte de Navalny para atacar Biden

Os líderes ocidentais atribuíram a culpa pela morte de Navalny diretamente ao presidente russo e espera-se que uma nova rodada de sanções seja aplicado ao líder do Kremlin. O porta-voz de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, já indicou que os Estados Unidos vão anunciar um “grande pacote de sanções” para “responsabilizar a Rússia” pela morte de Navalny nesta sexta-feira, 23. A União Europeia também sinalizou que está considerando medidas semelhantes, bem como o Reino Unido.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.