Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Maduro tem ‘zero chances’ de ganhar eleição justa, diz diplomata americano

EUA apresentaram plano de transição política para a Venezuela, que propõe a realização de eleições livres em até oito meses após a posse de governo interino

Por Julia Braun Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 2 abr 2020, 17h40 - Publicado em 2 abr 2020, 16h48

O atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, “tem zero chances” de vencer uma eleição justa e inspecionada pelos Estados Unidos em caso de aceitar a transição democrática, afirmou o representante do Departamento de Estado destacado para lidar com a atual situação venezuelana, Elliott Abrams, em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 2.

“Analisamos pesquisas de opinião que mostram que Nicolás Maduro tem entre 12 e 15% de apoio no país”, afirmou Abrams. “Acreditamos que em uma eleição livre ele tem chances zero de ganhar, e é por isso que o secretário [de Estado] Mike Pompeu disse que ele não governará a Venezuela novamente”.

O diplomata americano participou de uma coletiva de imprensa por telefone nesta quinta com jornalistas de toda as Américas, na qual tirou dúvidas sobre o plano de transição política para a Venezuela apresentado pelos Estados Unidos na terça-feira 31. O “Marco Democrático para a Venezuela” proposto por Trump consiste em garantir que tanto Maduro como Juan Guaidó, o presidente interino reconhecido por cerca de 50 países, “afastem-se” para que o Parlamento nomeie um Conselho de Governo de transição, que se encarregaria de organizar eleições presidenciais dentro de seis a oito meses.

Segundo Abrams, o Conselho será composto por dois representantes do regime chavista e dois da oposição. Um presidente interino deverá ser nomeado, e quem quer que seja o escolhido não poderá concorrer nas eleições gerais. “Em uma situação frágil como a da Venezuela, ninguém iria acreditar que seria justo alguém comandar o governo e também ser candidato”, diz.

O plano anunciado pelos americanos foi imediatamente rejeitado por Maduro. Em um comunicado, o ministro de Relações Exteriores, Jorge Arreaza, afirmou que o país “não aceita nem aceitará jamais qualquer tutela de nenhum governo estrangeiro”.

Pelo Twitter, Maduro afirmou que os Estados Unidos tentaram desviar a atenção da imprensa internacional da crise que o país vive por conta da pandemia de coronavírus ao anunciar seu plano para a Venezuela. “Mas não puderam nem poderão!”, escreveu o presidente. “Estamos em paz!”.

“A rejeição imediata por Maduro era previsível, já imaginávamos que ia acontecer”, afirmou Elliott Abrams nesta terça. “O que realmente importa para nós não é o que eles dizem em público, mas o que acontece no ambiente privado, dentro do governo, dentro do Exército e do partido chavista”.

O diplomata acredita que o desespero com a atual crise econômica e social vivida pela Venezuela, somado à esperança despertada pelo plano americano, pode provocar algum tipo de reação popular entre os cidadãos, o que significa mais pressão sobre o regime. O momento atual, em que o país vê o número de casos de coronavírus em seu território crescer, também pode ter sido escolhido de forma estratégica pelo governo americano.

O Brasil apoiou o plano. A administração de Jair Bolsonaro indicou “sua coincidência com os objetivos da proposta e que a apoia como instrumento capaz de contribuir para o restabelecimento da democracia na Venezuela”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

Navios de combate

Na quarta-feira 1, o presidente Donald Trump anunciou  que enviará navios da Marinha em direção à Venezuela para reforçar operações de combate ao narcotráfico no Caribe. No final de março, o Departamento de Justiça americano apresentou acusações criminais por tráfico de drogas contra Maduro e outras autoridades venezuelanas.

Continua após a publicidade

Serão enviados navios de guerra da Marinha, aeronaves de vigilância e equipes de forças especiais. Isso representa quase o dobro de agentes antinarcóticos dos Estados Unidos no Hemisfério Ocidental, que hoje têm forças que operam no Caribe e no Pacífico oriental. A missão será apoiada por 22 países parceiros.

Questionado se o aparelho militar americano poderia ser usado pelos americanos para outros fins, além de barrar o narcotráfico no Caribe, Abrams afirmou que Washington defende uma “abertura política democrática e pacífica na Venezuela”.

“Você está perguntando se esses reforços podem ser usados de formas diferentes? Eu suponho que a resposta teórica seria claro, eles poderiam ser usado de uma variedade de formas”, disse. “Mas, eles estão lá para interditar a grande quantidade de drogas que são transportadas para o nosso país, em muitos casos com a colaboração do regime”.

O diplomata afirmou ainda que não espera nenhum tipo de resposta militar da Venezuela para a missão americana. “Eles são inteligentes demais para entrar em confronto com os Estados Unidos”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.