Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Maduro diz que ninguém poderá tirar a Venezuela do Mercosul

"Se nos tirarem pela porta, entraremos pela janela", disse o presidente venezuelano nesta terça-feira

Por Da redação 22 nov 2016, 19h46

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, voltou a afirmar que ninguém poderá tirar o país do Mercosul, apesar de os fundadores do bloco analisarem a eventual suspensão venezuelana por ter descumprido compromissos como “Estado associado”. “Ninguém vai poder tirar a Venezuela do Mercosul. Se nos tirarem pela porta, entraremos pela janela”, disse Maduro nesta terça-feria durante seu programa de rádio A Hora da Salsa.

O líder venezuelano pediu para evitar que as “oligarquias se imponham” no bloco, e argumentou que Paraguai, Argentina, Brasil e Uruguai pretendem “impor uma sanção que não existe” à Venezuela, que ostenta a presidência rotativa do bloco, mas que não pôde exercer a função com plenitude por causa das críticas desses quatro membros fundadores.

  • Maduro pediu aos povos da América Latina que “se mobilizem em defesa” do Mercosul, “cujos princípios e estatutos estão ameaçados por governos de direita que promovem uma agenda desestabilizadora contra a Venezuela”, segundo informa uma nota da agência estatal de notícias AVN.

    O chanceler paraguaio, Eladio Loizaga, disse na segunda-feira que a partir do dia 1º de dezembro a Venezuela estará suspensa e “sem voz” no Mercosul e que continuará nestas condições até que se adapte aos estatutos internos. Loizaga assinalou que a Venezuela não poderá incorporar 112 resoluções do Mercosul porque interferem com a legislação interna do país.

    Já o chanceler do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, disse nesta terça-feira que a Venezuela terá voto no Mercosul quando internalizar as normas.

    No dia 13 de setembro, os quatro fundadores do Mercosul decidiram que a Venezuela, aceita como membro de pleno direito em 2012, não poderia exercer a presidência porque ainda não ratificou todos os acordos e, apesar disso, o governo de Maduro insiste que exerce plenamente o comando do bloco.

    Através de uma declaração conjunta, o bloco pediu à Venezuela que incorpore “cerca de 300 normas” para cumprir com suas obrigações como membro pleno.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade