Clique e assine a partir de 9,90/mês

Maduro anuncia nova viagem a Cuba para visitar Chávez

Na ilha, vice-presidente deverá se reunir com Cristina Kirchner e Ollanta Humala

Por Da Redação - 11 jan 2013, 17h09

O vice-presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou nesta sexta-feira uma nova viagem a Havana, Cuba, onde Hugo Chávez está internado após a quarta cirurgia para combater um câncer. Durante esta nova ausência, a Presidência será ocupada pelo ministro de Energia Elétrica, Héctor Navarro, como ocorreu em ocasiões anteriores. “Vou continuar este trabalho que fazemos de visitar a família de Chávez, de nos reunirmos com a equipe médica, de visitar o presidente, de lhe falar das novidades de um povo trabalhando”, afirmou.

O anúncio foi feito durante uma reunião com governadores oficialistas para fixar as metas do setor de habitação para este ano. Para dar uma ideia de normalidade em meio às incertezas levantadas pelo estado de saúde do caudilho, o vice-presidente afirmou que a equipe de governo seguirá cuidando dos projetos programados para 2013.

Leia também:

Leia também: OEA respeita decisão da Venezuela sobre Chávez

Em Havana, Maduro poderá se reunir com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e com o presidente do Peru, Ollanta Humala. Cristina Kirchner, que foi tratada por Maduro como uma “irmã de batalha” de Chávez, chegou a Havana com uma Bíblia de presente para o coronel. Nesta quinta-feira, dia em que deveria ter sido realizada a posse de Chávez para seu quarto mandato consecutivo, as ruas de Caracas foram tomadas por apoiadores do governo, em um evento que também reuniu “presidentes amigos”, como Evo Morales, da Bolívia.

Continua após a publicidade

Na véspera, o Supremo Tribunal de Justiça dispensou a necessidade de o juramento ser feito no dia estabelecido na Constituição venezuelana, alegando que, como Chávez foi reeleito, há uma “continuidade administrativa”. Maduro disse que vai informar o mandatário sobre a visita de mais de 20 delegações de governos da região a Caracas para manifestar seu apoio ao governo venezuelano.

Chávez foi operado em 11 de dezembro em Cuba. Segundo as informações oficiais, a cirurgia foi “complexa” e ocorreram “complicações”. O coronel enfrenta uma insuficiência respiratória em consequência de uma severa infecção pulmonar. De acordo com os últimos informes do governo, o quadro pós-operatório é ‘estável’.

Consciência – Em entrevista à rádio venezuelana Unión nesta sexta, o ministro de Informação e Comunicação, Ernesto Villegas, afirmou que Chávez “está consciente” de sua situação e em contato com sua equipe, informou o jornal espanhol El País. “O presidente está consciente da situação em que está. Se mantém em contato com sua equipe de governo, com seus familiares que estão em Havana, Cuba. O presidente é o presidente, não há nenhum outro. Estou certo de que vão se decepcionar o que fazem uma aposta maléfica em um desenlace fatal”.

Questionado se Chávez não estaria em condições físicas de ter enviado uma carta assinada de próprio punho informando sobre sua impossibilidade de tomar posse – a carta lida na Assembleia Nacional era assinada pelo vice -, Villegas apelou para a privacidade do paciente. “O presidente é um ser humano. Eu não posso dar detalhes porque o paciente Hugo Chávez tem os mesmos direitos que qualquer outro paciente a que sua privacidade seja preservada”.

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade