Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Madre Teresa será canonizada por milagre em brasileiro

Em 2008, um homem de 35 anos teria se curado repentinamente e de modo cientificamente inexplicável quando estava à beira da morte por causa de uma doença no cérebro

O papa Francisco ratificou na tarde desta quinta-feira, dia de seu aniversário de 79 anos, o reconhecimento de um milagre atribuído a Madre Teresa de Calcutá, última etapa antes de sua canonização. A transformação da beata em santa deve ocorrer no dia 4 de setembro de 2016, como um dos eventos mais importantes do Jubileu Extraordinário da Misericórdia. Há alguns dias, a Congregação para as Causas dos Santos aceitara de forma unânime a intercessão de Madre Teresa no caso de um brasileiro.

Em 2008, um homem de 35 anos residente em Santos teria se curado repentinamente e de modo cientificamente inexplicável quando estava à beira da morte por causa de uma doença no cérebro. Sua mulher rezava constantemente para a “santa das sarjetas” – como era conhecida a Madre Teresa. A oficialização do reconhecimento do milagre pelo papa Francisco representa o último degrau da causa iniciada em junho deste ano pela Diocese de Santos.

Leia também

Papa faz 79 em ano marcado por atuação diplomática e escândalos no Vaticano

Papa Francisco, enfim, faz seu primeiro selfie (ou quase isso)

Papa Francisco vai lançar primeiro livro em janeiro

Nascida em 1910, em Skopje, hoje capital da Macedônia, Anjezë Gonxhe Bojaxhiu, a Madre Teresa, morreu em 1997, em Calcutá, na Índia, onde passara boa parte de sua vida. Sua atuação como missionária lhe rendeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979, mas também a antipatia do regime de Enver Hoxha na Albânia, país ao qual pertencia Skopje na época de seu nascimento.

Ela deixou a nação quando tinha apenas 18 anos e só conseguiu retornar em 1989, quando o comunismo começava a desmoronar. Seus entes queridos já tinham morrido, mas Madre Teresa pôde rezar sobre seus túmulos – e também sobre o do ditador que a separara de sua família. A futura santa morreu em setembro de 1997, seis anos antes de ser beatificada pelo papa João Paulo II.

(Da redação)