Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Macron rejeita oferta de renúncia de sua primeira-ministra

O cargo de Elisabeth Borne parece ameaçado, já que o presidente francês pode ter que negociar com a oposição usando a posição de premiê

Por Da Redação Atualizado em 21 jun 2022, 10h44 - Publicado em 21 jun 2022, 10h29

O presidente francês, Emmanuel Macron, rejeitou nesta terça-feira, 20, uma oferta de renúncia da primeira-ministra que ele nomeou, dizendo que o governo deve “permanecer nos deveres e agir”.

Elisabeth Borne foi criticada por alguns comentaristas depois que a coalizão de Macron perdeu a maioria no domingo. Seu futuro parece ameaçado após o resultado, que deixou o presidente dependente do apoio de rivais (e pode ter que negociar usando o cargo de premiê).

Macron deve se encontrar com seus oponentes políticos para raras conversas na terça-feira, mas nem a extrema-direita de Marine Le Pen nem a aliança verde-esquerda de Jean-Luc Mélenchon estão dispostas a trabalhar com o governo centrista. Com 44 cadeiras a menos da maioria, ele tenta desesperadamente evitar um “parlamento pendurado”, que paralisaria os processos políticos.

O Palácio do Eliseu disse que Borne se ofereceu formalmente para renunciar na manhã de terça-feira, enviando uma carta a Macron. O chefe de Estado recusou a oferta “para que o governo possa permanecer nos deveres e agir”, disse o palácio do Eliseu, acrescentando que buscaria “soluções construtivas” para encerrar o impasse que ameaça seu segundo mandato.

É costume que o primeiro-ministro francês ofereça a demissão após as eleições parlamentares. Muitas vezes, o presidente simplesmente renomeia a mesma pessoa para que possa começar a construir um novo governo. Mas a situação é diferente desta vez, já que Macron disse a Borne para permanecer no cargo com o mesmo gabinete, sem renunciar.

+ Macron nomeia nova premiê da França, segunda mulher a ocupar o cargo

Continua após a publicidade

Analistas sugerem que provavelmente é um esforço para ganhar tempo. Em algum momento, um novo governo será formado, que pode ou não ter Borne no cargo de premiê.

O presidente está de olho em um acordo com os republicanos de direita. O partido confirmou que seu líder, Christian Jacob, participará das negociações. Mas as perspectivas são fracas: Jacob atacou Macron em entrevista à rádio France Inter.

“Ele é aquele que foi arrogante e agora ele pede ajuda”, disse. “Somos muito claros em nossa posição, estamos na oposição a Emmanuel Macron e permaneceremos lá”, acrescentou.

+ França: Macron leva uma sacudida e os extremos ganham vantagem

Le Pen participará, mas Mélenchon não. O líder do Partido Socialista Olivier Faure e o chefe do Partido Comunista Fabien Roussel, membros da aliança de esquerda Nupes, também se encontrarão com Macron.

Macron apresentou uma série de planos para combater a alta no custo de vida, incluindo vales-alimentação e benefícios aprimorados. Outra grande reforma é aumentar gradualmente a idade de aposentadoria de 62 para 65 anos, o que se mostrou impopular entre grande parte do eleitorado. Todas essas propostas estão ameaçadas com um parlamento pendurado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)