Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Macron e Merkel pedem a Putin que apoie trégua na Síria

Rússia vetou na ONU o texto que buscava estabelecer cessar-fogo na região rebelde síria de Guta Oriental

O Conselho de Segurança da ONU continua lutando para chegar a um acordo para uma trégua de 30 dias na Síria, depois de uma série de impasses entre os autores da proposta e a diplomacia russa.

Nesta sexta-feira, o presidente da França, Emmanuel Macron, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, escreveram para o presidente da Rússia, Vladimir Putin, para pedir-lhe que apoie a trégua.

A carta foi divulgada pouco depois que Macron pediu a seus colegas europeus, no início da cúpula informal da União Europeia em Bruxelas, para que se mobilizem e apoiem a adoção de uma resolução da ONU para um cessar-fogo no conflito sírio.

A Rússia freou na noite de quinta-feira no Conselho de Segurança da ONU o texto que buscava estabelecer uma trégua humanitária no reduto rebelde sírio de Guta Oriental. Porém, o apelo dos líderes europeus parece ter funcionado.

De Moscou, o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, se mostrou hoje disposto a aprovar a resolução, desde que hajam garantias de cumprimento do cessar-fogo pelas duas partes do conflito.

O presidente rotativo do Conselho de Segurança, Mansour al Otaibi, confirmou as intenções de Lavrov e afirmou que os membros do órgão estão “muito perto” de um acordo. “Ainda estamos trabalhando na linguagem de alguns parágrafos, mas estamos quase lá”, declarou Al Otaibi a jornalistas.

Segundo o diplomata, a expectativa é que, após vários atrasos, o projeto de resolução seja votado nesta sexta às 14h30 (horário de Nova York, 16h30 de Brasília). Kuwait e Suécia são os principais impulsores da iniciativa e contam com o apoio dos demais membros eleitos do Conselho e das potências ocidentais.

O órgão está há cerca de duas semanas discutindo esta resolução, mas os apelos internacionais por uma trégua se intensificaram nos últimos dias por conta do alto número de mortes — mais de 400 — deixadas pelos bombardeios do regime sobre Guta Oriental.

O Exército sírio tem sido fortemente criticado por sua atuação na região, que é o último reduto controlado pelos rebeldes perto da capital Damasco. A ofensiva das forças de Bashar Assad tem feito muitas vítimas civis, apesar das constantes declarações do governo de Damasco garantindo que tem como alvo apenas militantes e grupos rebeldes.

Grupos de monitoramento e ONGs de direitos humanos denunciam irregularidades nos ataques do Exército sírio desde o início da guerra.

(Com EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Antonio Debon

    Mais uma vez a ONU inventa uma trégua humanitária para as milicias contrárias ao governo Sírio possam fugir do cerco das tropas , como já aconteceu em Aleppo e em Mosul e com isso prolongar a guerra civil na Síria.

    Curtir