Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Macron diz que sistema de bem-estar francês é inadequado e pede reformas

Segundo o presidente francês, as atuais medidas custam muito dinheiro e não resgatam os pobres da miséria

A França deveria parar de “despejar grandes quantias de dinheiro” em um sistema de bem-estar social que falha em resgatar os pobres da miséria, disse o presidente francês Emmanuel Macron em vídeo divulgado por seu gabinete nesta quarta-feira 13.

O vídeo mostra Macron discutindo suas ideias para renovar o Estado de Bem-Estar com sua equipe de comunicação horas antes de um discurso televisionado que faria acerca de uma reforma nos benefícios sociais do país.

“Olhe onde estamos [em relação ao] bem-estar. Nós despejamos um bocado de dinheiro em benefícios de subsistência e as pessoas ainda estão pobres. Não há saída. Pessoas que nascem pobres ficam pobres”, disse Macron no vídeo, que foi divulgado nas redes sociais pelo Palácio Elysee.

“Eu vou dizer com todas as letras onde estamos, que estamos despejando muita grana em um sistema de bem-estar social que é focado em tratamento corretivo”, disse ele, preenchendo sua fala com gírias que muitos franceses considerariam inadequadas a um presidente.

No vídeo, ele defendeu reembolsos totais para planos de saúde que focarem na prevenção de doenças, uma medida que ele disse que economizará custos mais adiante.

“É por isso que estamos fazendo [as reformas]. É por causa das coisas menores, como assistência odontológica básica, óculos de grau, essas coisas carregam um custo social. E é politicamente desprezível [para aprová-las].”

O presidente anunciou também nesta quarta-feira que o serviço de saúde pública francês vai oferecer óculos de grau, aparelhos auditivos e próteses dentárias gratuitamente à população a partir de janeiro de 2021.

Macron foi eleito há um ano com um mandato para abrir a economia e criar um sistema de bem-estar social mais eficiente, mas há latente descontentamento na esquerda de seu partido de centro, onde suas políticas são vistas como favoráveis aos ricos.

Sua avaliação franca dos fracassos do sistema de bem-estar social e da necessidade de uma reforma politicamente corajosa ocorre no dia em que a Assembleia Nacional deverá tomar uma decisão final sobre a maior reforma das ferrovias estatais em décadas.

(Com Reuters)