Clique e assine com até 92% de desconto

Lufthansa sabia que copiloto sofria de depressão

Por meio de um comunicado, empresa alemã informou que o piloto entregou documentos que comprovam que ele passou por um "episódio prévio de depressão severa"

Por Da Redação 31 mar 2015, 15h41

O copiloto da Germanwings que derrubou um avião na semana passada nos Alpes franceses contou à escola de voo da Luthansa sobre um período em que se tratou de depressão, informou a empresa alemã nesta terça-feira. Segundo um comunicado da empresa, o copiloto Andreas Lubitz entregou à escola de voo documentos médicos mostrando que havia passado por “episódio prévio de depressão severa”. A Lufthansa, controladora da empresa de baixo custo Germanwings, relatou que Lubitz interrompeu seu treinamento por um “período de vários meses”. Quando retomou, em 2009, exames médicos confirmaram que ele estava em condições físicas de voar.

Leia também:

Copiloto que provocou acidente aéreo foi tratado por ‘tendência suicida’

A companhia aérea alemã informou este novo dado após realizar investigações internas e enviar à promotoria de Düsseldorf documentos adicionais sobre a formação de Lubitz e seu histórico médico, que inclui um e-mail do copiloto à escola de voo sobre sua depressão. Depois que a promotoria francesa apontou o copiloto alemão como causador da tragédia, o presidente da Lufthansa, Carsten Spohr, informou que o jovem tinha interrompido durante um período de tempo sua formação em 2009, mas não esclareceu os motivos. Lubitz passou por todas as provas de aptidão necessárias e concluiu com êxito a sua formação. Ele era “100% capaz de conduzir” um avião, assegurou Spohr na semana passada.

Na documentação cedida pela Lufthansa à promotoria alemã está uma troca de e-mails entre Lubitz e a escola de voo, quando o jovem pretendia retomar sua formação. Nos e-mails, o copiloto disponibiliza documentos médicos que atestavam que ele tinha superado esse “episódio grave de depressão”. A companhia aérea reiterou seu compromisso de apoiar em todos os sentidos a investigação realizada pela promotoria de Düsseldorf para esclarecer o acidente que matou o copiloto e outras 149 pessoas em um voo que ia de Barcelona para Düsseldorf.

Continua após a publicidade

Leia também:

Peritos isolam DNA de 78 mortos na queda do Airbus da Germanwings

Buscas – As operações de busca no local do impacto do Airbus A320 da Germanwings foram retomadas na manhã desta terça, uma semana depois da catástrofe. Os investigadores e policiais podem ter acesso agora à zona através de uma pista aberta no domingo. “Trabalhamos mais rápido, até mais tarde e traremos mais destroços”, informou a equipe de resgate francesa, antes de destacar que foram encontradas mais de 4.000 peças, incluindo pedaços do avião e restos humanos.

As equipes devem “terminar no dia 8 de abril o trabalho de repatriação dos corpos e das peças importantes” do avião. “Depois uma empresa paga pela Lufthansa vai descontaminar” a zona, disse a fonte. Em um comunicado, o Escritório francês de Investigações e Análises para a aviação civil (BEA) indicou que vai se esforçar “para descrever mais precisamente, de um ponto de vista técnico, o desenvolvimento do voo”.

A investigação também vai “estudar as falhas sistêmicas que possam ter levado” à tragédia nos Alpes. “A investigação de segurança se interessa, em particular, pela lógica do sistema de fechamento das portas das cabines de pilotagem e pelos procedimentos de acesso e saída” da mesma, assim como por critérios para traçar perfis psicológicos da tripulação.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade