Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

López Obrador adverte Trump a não fechar a fronteira México-EUA

Diariamente, 500.000 pessoas e 1,7 bilhão de dólares em mercadorias atravessam a divisa

Por Da redação Atualizado em 3 abr 2019, 22h54 - Publicado em 3 abr 2019, 20h27

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, advertiu o governo dos Estados Unidos nesta quarta-feira, 3, a não fechar a fronteira com seu país. O presidente americano, Donald Trump, relançou a nova ameaça para pressionar o governo mexicano a coibir o ingresso de imigrantes da América Central empenhados em entrar em seu país.

“Não é adequado para ninguém fechar a fronteira, não é a melhor coisa a se fazer”, disse AMLO, como é chamado o presidente do México, em sua entrevista diária à imprensa.

Pela fronteira dos Estados Unidos e México transitam diariamente carregamentos que somam 1,7 bilhão de dólares e cerca de 500.000 trabalhadores, estudantes, consumidores e turistas, segundo dados da Câmara Americana de Comércio citados pelo jornal The New York Times.

Nesta quarta, pelo Twitter, Trump pediu ao Congresso americano que “se reúna imediatamente” para eliminar as “lacunas” na fronteira. Ele repetiu que os Estados Unidos estão passando por “uma emergência nacional” causada pela imigração ilegal.  Por causa das caravanas de cidadãos centro-americanos concentradas na fronteira, Trump

López Obrador evitou um embate verbal com os Estados Unidos, já empenhados na construção do muro na fronteira. Disse haver “comunicação muito boa” com os Estados Unidos” e confessou que seu governo “está agindo com grande prudência e buscando respeitar a lei” migratória. “Estou satisfeito que o governo dos Estados Unidos reconheça que estamos ajudando”, afirmou.

Continua após a publicidade

Sobre o ritmo lento de pessoas e bens que entram na fronteira com os Estados Unidos, derivado da transferência de centenas de funcionários da fronteira para processar a chegada de migrantes, AMLO disse que “não há problemas sérios”.

Na terça-feira, Trump baixou temporariamente o tom de suas ameaças dizendo à imprensa que o México “começou a prender muitas pessoas em sua fronteira sul”. Mas, ainda assim, afirmou-se disposto a fechar a divisa para o trânsito de mercadorias e pessoas mesmo que a medida cause prejuízos econômicos. “Com certeza, haverá impacto negativo para a economia. Mas, para mim, a segurança é mais importante que o comércio”, afirmou no Salão Oval da Casa Branca.

No Senado mexicano, onde o Morena, partido de López Obrador, tem a maioria, as declarações de Trump provocaram uma rejeição em uníssono. Os senadores “repudiaram as expressões” de Trump que, no passado, “incitaram atitudes xenófobas e deram lugar a crimes de ódio contra a comunidade hispânica nos Estados Unidos”, em carta enviada a Chuck Schumer, líder da minoria democrata no Senado americano.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)