Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Liga Árabe quer força de paz da ONU para a Síria

Bloco definiu a retirada de embaixadores do país e aumento de sanções

A Liga Árabe decidiu neste domingo que vai pedir ao Conselho de Segurança da ONU a formação de uma força de paz conjunta para a Síria. Além disso, o bloco definiu a retirada de seus embaixadores de Damasco e estabelceu que vai aumentas suas sanções econômicas contra o regime do ditador Bashar Assad.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 5.400 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.
  3. • Tentando escapar dos confrontos, milhares de sírios cruzaram a fronteira e foram buscar refúgio na vizinha Turquia.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

As decisões foram tomadas em reunião extraordinária dos chefes da diplomacia da Liga Árabe realizada no Cairo, no Egito, e tem como objetivo buscar uma solução para a crise síria. Os ministros das Relações Exteriores pedirão ao Conselho de Segurança a criação de uma missão integrada por membros da Liga Árabe e das Nações Unidas que comprove na Síria o cessar-fogo das forças de segurança do regime.

Além disso, o bloco árabe deu como encerrada sua missão anterior na Síria, que foi suspensa em 28 de janeiro devido ao aumento da violência no país. O encontro oficializou ainda a reúncia do general sudanês Ahmed Mustafa al Dabi, ex-chefe da missão de obervadores – o ex-ministro das Relações Exteriores jordaniano, Abdelelah al-Khatib, deve assumir o posto.

Pressão – A organização concordou em aumentar a pressão contra Damasco com a suspensão de “todas as formas de colaboração diplomática” e a intensificação sas sanções econômicas. A proposta é suspender acordos comerciais com o regime sírio, excluindo os que afetam diretamente os cidadãos do país.

Leia também:

Leia também: Líder da Al Qaeda manifesta apoio à oposição síria

Por outro lado, a Liga Árabe se comprometeu a “abrir canais de comunicação com a oposição síria e facilitar todas as formas de apoio político e financeiro” aos rebeldes. Além disso, os chefes da diplomacia árabe decidiram pedir à oposição que “unifique suas fileiras” e mantenha com a Liga Árabe um diálogo sério nas vésperas de uma conferência internacional sobre a Síria, que será realizada no dia 24 de fevereiro, na Tunísia.

Entre outras decisões da Liga Árabe, está a intenção de ajudar organizações humanitárias internacionais que ajudem a população síria, assim como campanhas de doações e a criação de um fundo internacional. Desde o início dos protestos contra Assad, em março do ano passado, mais de 5.400 pessoas já morreram vítimas das forças de segurança, segundo números da ONU.

Reação – O regime sírio, que acusa grupos terroristas pela violência no país, criticou as decisões da Liga Árabe. O representante da Síria no bloco, Youssef Ahmed, rejeitou as medidas adotadas neste domingo pela organização e disse que seus membros financiam terroristas e incentivam a violência no país.

Ahmed criticou particularmente a postura do Catar e da Arábia Saudita, os países que exerceram a maior pressão para conseguir uma condenação firme contra Damasco, dizendo que o comportamento dos dois países causa “um desvio escandaloso do pacto da Liga Árabe e uma hostilidade direta que tem como objetivo acabar com a estabilidade na Síria”.

“A resolução (da Liga Árabe) mostrou o estado histérico e a confusão que vivem estes países após seu fracasso perante o Conselho de Segurança da ONU”, ressaltou Ahmed em referência ao veto da Rússia e China a uma condenação à Síria pelo principal órgão das Nações Unidas.

(Com agência EFE)