Clique e assine a partir de 9,90/mês

Liga Árabe apoiará oposição síria e pede força de paz com ONU

Por Mahmoud Zayyat - 12 fev 2012, 15h18

A Liga Árabe estabelecerá contato com a oposição síria fornecendo apoio político e material e pedirá uma força conjunta com a ONU na Síria, segundo o comunicado final de uma reunião de ministros de Relações Exteriores neste domingo no Cairo.

A Liga “abrirá canais de comunicação com a oposição síria e oferecerá apoio político e financeiro completo, pedindo (à oposição) para unificar suas fileiras de atuação”, informou a declaração da Liga obtida pela AFP.

Ao mesmo tempo “coloca fim à missão dos observadores da Liga Árabe” na Síria e decide “pedir ao Conselho de Segurança a adoção de uma resolução para formar uma força conjunta de manutenção da paz com árabes e ONU para supervisionar a aplicação do cessar fogo”, completa.

Pede também a seus países-membros que rompam “todas as formas de cooperação diplomática com os representantes do regime sírio nos Estados, instâncias e conferências internacionais”.

Continua após a publicidade

A Liga lembra que mantém suas sanções econômicas contra a Síria e reitera “a interrupção das relações comerciais com o regime sírio com exceção das que afetam diretamente os cidadãos sírios”.

Por último, os ministros acolhem com satisfação a proposta da Tunísia de organizar em seu território “uma conferência dos amigos da Síria” para 24 de fevereiro.

A Síria, por sua vez, rejeitou “categoricamente” as decisões adotadas neste domingo pela Liga Árabe e afirma que estas refletem “a histeria” de alguns países árabes, segundo um comunicado distribuído pela embaixada síria no Cairo.

“A República árabe síria rejeita categoricamente a decisão de hoje (domingo) da Liga Árabe”, afirmou Yusef Ahmad, delegado permanente da Síria na Liga Árabe e seu embaixador no Egito, citado no texto. Ahmad não participou das reuniões neste domingo na capital egípcia.

Continua após a publicidade

Ao menos 6.000 pessoas morreram em 11 meses de repressão de uma revolta popular contra o regime sírio.

Publicidade