Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Liga Árabe anuncia a supensão da Síria do grupo

No total, 18 dos 22 membros da Liga votaram a favor de convidar as correntes opositoras para conversações sobre transição no país islâmico

Por Da Redação 12 nov 2011, 10h46

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 3.500 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.
  3. • Tentando escapar dos confrontos, milhares de sírios cruzaram a fronteira e foram buscar refúgio na vizinha Turquia.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

A Liga Árabe anunciou, neste sábado, a decisão de suspender a Síria do grupo e pediu a retirada dos embaixadores árabes de Damasco. Foram pedidas sanções contra o regime de Damasco e a oposição síria foi convidada para falar de transição.

Leia também:

Leia também: ‘Invasão da Síria resultará em novo Afeganistão’, ameaça o ditador Bashar Assad

Continua após a publicidade

“Fazemos um convite a todas as correntes da oposição para que cheguem a um projeto único para a transição na Síria”, disse o primeiro-ministro do Qatar, Hamad ben Jassem al-Thani.

O representante sírio na Liga Árabe, Youssef Ahmed, afirmou que a decisão é ‘ilegal e infringe o regulamento interno’. Em declarações divulgadas pela agência oficial de notícias síria Sana, Ahmed acusou a Liga Árabe de estar submetida aos interesses dos Estados Unidos e do Ocidente.

Ele também disse que a resolução significa ‘a morte do trabalho árabe comum’, referindo-se ao acordo feito na semana passada entre a Liga e a Síria, que previa a cessação da repressão aos opositores ao regime. A falta de compromisso de Damasco motivou a decisão da Liga.

A resolução ficará em vigor até que Damasco cumpra o acordo anterior. Ela foi aprovada por 19 dos 22 membros da entidade, com o voto contrário de Líbano e Iêmen e a abstenção do Iraque.

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade