Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Líderes europeus se mobilizam após os ataques em Bruxelas

A França mobilizou um efetivo extra de 1.600 policiais para patrulhar as fronteiras com a Bélgica e outros locais considerados sensíveis

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, afirmou nesta terça-feira que está “comovido” e “preocupado” pelas explosões desta manhã no aeroporto de Bruxelas. “Faremos tudo o que for possível para ajudar”, escreveu Cameron em sua conta no Twitter após ser informado sobre as explosões que ocorridas no aeroporto e na estação de metrô de Malbeek. O primeiro-ministro informou que hoje presidirá uma reunião do comitê de emergência Cobra, formado pelos principais membros do governo e as forças de segurança, em resposta às explosões desta manhã na Bélgica.

Ao chegar a Downing Street, residência oficial de Cameron, o ministro britânico das Relações Exteriores, Philip Hammond, disse à imprensa local que o governo está em contato com as autoridades belgas. “Obviamente vamos prestar toda a ajuda que pudermos”. Os aeroportos britânicos funcionam com normalidade e o nível de ameaça terrorista se mantém em “grave”, o segundo mais alto e que significa que pode ser provável que haja um atentado.

Leia também

Ataques terroristas em Bruxelas deixam pelo menos 13 mortos

Terrorista dos atentados de Paris já planejava nova ação

Suspeito de atentado em Paris é capturado em Bruxelas

O presidente da França, François Hollande, reuniu um gabinete de crise para analisar a situação após as explosões. Hollande convocou seu primeiro-ministro, Manuel Valls, assim como os titulares de Interior, Bernard Cazeneuve, e Defesa, Jean-Yves Le Drian, que chegaram pouco depois das 10h locais (6h de Brasília). A França mobilizou um efetivo extra de 1.600 policiais para patrulhar as fronteiras com a Bélgica e outros locais considerados sensíveis.

Na Rússia, o presidente Vladimir Putin qualificou de “selvagens” os atentados. Putin manifestou que os atentados “não têm nenhuma justificativa e demonstram pela enésima vez que o terrorismo não conhece fronteiras e ameaça os povos de todo o mundo”, segundo um comunicado divulgado pelo Kremlin. “A luta contra este mal exige a mais estreita cooperação internacional”, ressaltou o chefe de Estado russo.

Duas explosões no aeroporto internacional de Zaventem e em uma estação de metrô, em Bruxelas, deixaram pelo menos mais de 20 mortos e centenas feridos, segundo as últimas informações.

(Da redação)