Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Líder de oposição venezuelana, Ledezma foge para a Colômbia

Ex-prefeito de Caracas era mantido em prisão domiciliar após ser acusado de conspiração e formação de quadrilha

Por Da redação 17 nov 2017, 15h47

O ex-prefeito da região metropolitana de Caracas, Antonio Ledezma, fugiu da prisão domiciliar em que se encontrava desde 2015 e deixou a Venezuela em direção à Colômbia. Em entrevista, o ex-prefeito afirmou que a sua travessia pela fronteira dos dois países foi “cinematográfica”.

“Estou falando sobre passar por mais de 29 postos de guardas nacionais e policiais do governo”, contou. “Mas Deus é muito grande”, afirmou, pedindo que sua família e os cidadãos venezuelanos o apoiem em sua decisão de deixar seu país de origem.

Ledezma é político de oposição e fundador do partido Aliança Bravo Povo (ABP). Ele escapou na madrugada desta sexta-feira pela fronteira com a Colômbia. Segundo o jornal local El Nacional, vários funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), a corporação que vigia a residência do ex-prefeito há dois anos, se encontram nos arredores da casa do ex-prefeito.

Ledezma, foi detido em 19 de fevereiro de 2015 e enviado à prisão militar de Ramo Verde, tendo sido realocado em sua própria casa por razões de saúde dois meses depois, onde seguia preso e impossibilitado de expressar-se publicamente.

Continua após a publicidade

O prefeito foi acusado pelos crimes de conspiração e formação de quadrilha pelo Ministério Público em 2015, mas nunca foi julgado. Além disso, foi suspenso do seu cargo como prefeito da região metropolitana de Caracas, o posto de maior peso político no país depois da presidência da República.

“Não devemos nos dobrar ou perder o ânimo. Temos que levantar as bandeiras que simbolizam a dignidade de um povo que perdeu seus alimentos e seu dinheiro, que não tem dinheiro nem para comprar uma empanada”, afirmou Ledezma após chegar na Colômbia.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reagiu à notícia através da sua conta no Twitter. “Minha saudação a Antonio Ledezma, referência moral da Venezuela, agora livre para liderar a luta no exílio para a instauração do sistema democrático no seu país”, escreveu o uruguaio na rede social.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)