Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Líder da esquerda francesa visita Lula na PF e diz que Moro é ‘corrompido’

Jean-Luc Mélenchon, opositor do governo de Macron, esteve na sede da Polícia Federal em Curitiba nesta quinta-feira 5

Por Da Redação - 6 set 2019, 02h17

Jean-Luc Mélenchon, chefe do partido de esquerda La France Insoumise (A França Insubmissa), afirmou que recebeu “energia” de Luiz Inácio Lula da Silva, ao visitá-lo nesta quinta-feira 5 em Curitiba, onde o ex-presidente está preso.

O deputado opositor ao presidente Emmanuel Macron qualificou o então juiz Sergio Moro, que em 2017 condenou Lula na primeira instância, de “personalidade politicamente corrompida”. Moro, atual ministro da Justiça do presidente Jair Bolsonaro, está “disposto a sujar a justiça de seu próprio pais para levar até o fim o processo político” contra Lula, acrescentou Mélenchon.

O político europeu realiza uma viagem pela região e já se reuniu com líderes da esquerda no México, Argentina e Uruguai antes de chegar ao Brasil.

Ex-candidato à presidência da França e primeiro líder político francês a visitar Lula na prisão, Mélenchon tem uma relação de amizade com o ex-presidente. Ele foi à sede da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula está preso desde abril de 2018, após ser condenado a 8 anos e 10 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá.

Publicidade

“Eu saio, depois de receber a energia dele”, disse Mélenchon à imprensa após a visita. “Eu o encontrei com a mesma força de caráter. Somos todos Lula!”. “Eu o achei muito forte, em todos os aspectos”, acrescentou o francês, destacando que Lula, 73 anos, “corre nove quilômetros todos os dias” em uma esteira.

“Ele nos chamou à resistência”, disse o deputado francês, explicando que “grande parte da conversa envolveu o uso da justiça em julgamentos políticos, a lei”.

Lula foi “condenado por atos indeterminados. Não há limite para o uso da justiça em julgamentos políticos…”, avaliou o deputado.

“Estamos determinados a não permitir isto, cada um em nosso país. Vamos nos unir, vincular nossos grupos de advogados (…) para nos ajudar (…) nos julgamentos políticos que sofremos”, acrescentou o deputado, que deve ser julgado em seu pais por incidentes durante uma operação policial na sede de seu partido.

Publicidade

“É o mesmo método (que a condenação de Lula), talvez não sejam as mesmas conclusões…”, mas “as mesmas incriminações sem evidências e violações dos direitos de defesa”, declarou.

(Com AFP)

Publicidade