Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Líbano quer instalar embaixada em Jerusalém para apoiar Palestina

Organização da Conferência Islâmica (OCI) também pediu reconhecimento do leste de Jerusalém como capital da Palestina

O ministro libanês de Relações Exteriores, Yebran Basil, anunciou nesta quinta-feira que solicitou ao Conselho de Ministros que aprove o estabelecimento de uma embaixada em Jerusalém para reconhecê-la como capital da Palestina.

“Transmiti um memorando ao Governo para que estabeleça uma embaixada do Líbano em Jerusalém, capital da Palestina, assim como propus ao presidente palestino, Mahmoud Abbas”, escreveu Basil em sua conta do Twitter. Segundo o ministro, o Conselho de Ministros deverá tomar uma decisão a respeito na sexta-feira.

A Organização da Conferência Islâmica (OCI) reunida ontem em Istambul pediu reconhecimento do leste de Jerusalém como capital da Palestina, decisão tomada depois que o presidente americano, Donald Trump, assinar um decreto pelo qual reconhecia Jerusalém como capital de Israel.

Durante este encontro, o chefe de Estado libanês, Michel Aoun, pediu aos países-membros da OCI que apresentem uma queixa perante a ONU e o Conselho de Segurança contra a decisão de Trump, que constitui uma “violação das leis e resoluções internacionais”.

Reabertura da passagem

A passagem de Al Qaa/Yusie, entre o Líbano e a Síria, foi reaberta nesta quinta-feira após cinco anos de fechamento pela violência de ambos lados da fronteira.

O cruzamento foi reinaugurado pelo ministro sírio do Interior, Mohammed al Shaar, após ter sido reformado por ter sofrido danos em ataques terroristas. Al Shaar antecipou que a partir de amanhã será permitida a entrada e saída de civis.

A passagem esteve fechada nos últimos cinco anos pela expansão de grupos terroristas ‘takfiri’ (muçulmanos radicais) de ambos lados da fronteira. O Exército sírio, em parceria com o libanês, conseguiu desalojar a zona de organizações armadas.

A parte síria da fronteira, Yusie, está perto da cidade da Al Qusayr, que no passado foi um dos principais redutos dos rebeldes sírios e foi retomado pelas autoridades em junho de 2013. O lado libanês, onde fica a população de Al Qaa, de maioria cristã, foi alvo de vários atentados terroristas e de uma ofensiva das Forças Armadas libanesas contra o grupo terrorista Estado Islâmico.

O cruzamento de Al Qaa/Yusie foi a única das cinco passagens entre a Síria e o Líbano que esteve fechada permanentemente durante estes anos de guerra.