Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Kofi Annan destaca influência iraniana na resolução do conflito sírio

Paris, 7 jul (EFE).- O enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, pediu neste sábado que os esforços internacionais para a resolução do conflito no país não se restrinjam à Rússia dada a influência que outros países também exercem na questão, como o Irã.

‘O Irã é um ator e deveria fazer parte da solução. Tem influência e não podemos ignorá-la’, reconheceu Annan em entrevista concedida ao jornal francês ‘Le Monde’. Em sua opinião, concentrar-se exclusivamente na postura de Moscou ‘irrita muito os russos’.

Arquiteto do plano de paz mais ambicioso para o conflito político-civil na Síria, Annan enfatiza a necessidade de se dar mais atenção a ‘outros países que enviam dinheiro, armas e que têm peso sobre a situação’ no país.

O ex-secretário-geral da ONU expressou preocupação sobre a gravidade do conflito síria e sobre os impactos da crise aos países vizinhos.

Ele exaltou a importância dos esforços da comunidade internacional para pôr fim ao conflito de maneira pacífica e política, mas admitiu fracasso temporário de seu plano de interromper a violência e obter entendimentos políticos entre as partes envolvidas na crise.

Para Annan, a maneira como a chamada ‘Responsabilidade de Proteger’ a população foi usada no caso da Líbia criou um ‘problema de conceito’ para os russos e chineses ao abordar a situação na Síria.

‘Os russos e os chineses se sentem frustrados: tinham adotado uma resolução na ONU que se transformou em processo de mudança de regime, o que, de seu ponto de vista, não era a intenção inicial’, assinalou o enviado especial, referindo-se à resolução da ONU que aprovou o uso da força na Líbia para a proteção de civis, mas que, na prática, contribuiu para a queda do então ditador Muammar Kadafi. EFE

mgr/sa