Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Kofi Annan chega a Moscou para analisar crise síria com o Kremlin

(Atualiza com mais informações sobre a postura russa).

Moscou, 24 mar (EFE).- O enviado especial da ONU e da Liga de Estados Árabes, Kofi Annan, chegou neste sábado a Moscou para se reunir e analisar com o presidente russo, Dmitri Medvedev, a crise síria.

O serviço de imprensa do Kremlin comunicou que a reunião do ex-secretário-geral da ONU e do chefe de Estado da Rússia acontecerá neste domingo.

O Ministério de Relações Exteriores da Rússia confirmou por sua parte que também está prevista uma reunião de Annan com o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, e detalhou que ‘a visita de Annan ocorre por iniciativa russa’.

A Rússia está decidida a deixar bem clara sua posição, centrada na rejeição a qualquer ingerência externa no conflito interno sírio.

O Kremlin antecipou que nas conversas com Annan insistirá que ‘o apoio de uma das partes no conflito sírio é inadmissível’ e na ‘necessidade de pôr fim’ às provisões de armas à oposição síria.

Fortemente criticado pelo Ocidente por apoiar a ditadura de Bashar al Assad, seu principal aliado no Oriente Médio e importante comprador de armamento russos, o Kremlin garante que na crise síria a diplomacia russa defende uma ‘posição de princípio’.

‘Durante a próxima reunião estamos decididos a expor nosso enfoque de princípio, orientado a conseguir o cessar-fogo e pôr fim à violência na Síria’, declarou hoje à agência russa ‘Interfax’ Sergei Prikhodko, assessor do presidente da Rússia encarregado de política internacional.

A parte russa também insistirá perante Annan que ‘é pouco provável que a solução da crise síria possa ser encontrada no marco do Grupo de Amigos da Síria’, cuja segunda reunião está convocada para o início do próximo mês de abril.

Prikhodko disse que segundo demonstrou a primeira reunião do Grupo, realizada na Tunísia no último dia 24 de fevereiro, suas decisões ‘estão baseadas no apoio unilateral a uma das partes do conflito’.

‘Levando em conta que as autoridades sírias estão dispostas a iniciar esse diálogo, o principal é convencer à oposição síria que se sente à mesa de negociações com os representantes das autoridades e consigam uma solução pacífica da crise’, ressaltou.

Por sua parte, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia destacou em nota que as conversas com Annan ‘se concentrarão na busca de vias para uma solução pacífica do conflito interno sírio’.

‘Essa é exatamente a missão principal do enviado especial da ONU e da Liga de Estados Árabes’, enfatizou o comunicado.

A parte russa destaca que o ‘Plano Annan’ está dirigido a ambas partes enfrentadas e exige uma trégua, o início do diálogo entre as autoridades e a oposição e a abertura imediata para a provisão de ajuda humanitária, e não contém pedidos para uma ‘mudança de regime’.

Prikhodko ressaltou ainda que a Rússia votou a favor da declaração do Conselho de Segurança da ONU que apoiava as propostas de Kofi Annan.

Segundo destacou o comunicado da chancelaria, a Rússia apoiou desde o início a nomeação de Annan como representante especial para a Síria e confia em sua ‘experiência política, assim como em seu alto prestígio’.EFE

mb/rsd