Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Kirchnerista Scioli confirma vantagem em primárias na Argentina

Institutos de pesquisa garantem vitória do candidato da Frente para a Vitória (FPV). Eleição presidencial acontece em 25 de outubro

O candidato kirchnerista Daniel Scioli venceu neste domingo a eleição primária de participação obrigatória na Argentina. Segundo resultados de boca de urna, entretanto, os votos que o ex-piloto de lancha e atual governador da Província de Buenos Aires conquistou não seriam suficientes para levar o governismo a uma vitória no primeiro turno da disputa presidencial, em 25 de outubro.

Leia também:

Argentina realiza primárias, o ‘primeiro turno virtual’

Daniel Scioli será o candidato governista à Presidência da Argentina

Como pensa Mauricio Macri, um dos favoritos para a Casa Rosada

Neste domingo, 32 milhões de argentinos foram às urnas para as eleições primárias do país, que funcionam como um primeiro turno. Os partidos precisam apresentar uma lista com seus candidatos e os melhores colocados seguem para a eleição decisiva. Como Scori é o único candidato da Frente para a Vitória (FPV), sua candidatura já estava certa.

Até as 22 horas, quando a apuração oficial ainda não havia começado, as únicas certezas entre os institutos de pesquisa eram a vitória de Scioli e da FPV, e a ordem dos opositores que o seguiram. Em segundo lugar, ficou o conservador Mauricio Macri, prefeito de Buenos Aires e ex-presidente do popular clube de futebol Boca Juniors, que venceu a disputa interna da coalizão Cambiemos, formada ainda pelo senador Ernesto Sanz, da União Cívica Radical (UCR) e pela deputada Elisa Carrió (ARI). Em terceiro, terminou o grupo UNA, liderado por Sergio Massa, que venceu na interna a José de la Sota.

Fontes da campanha de Scioli estimavam que ele havia alcançado 38% dos votos. Para evitar um segundo turno, um candidato precisa obter 45% dos votos válidos ou 40%, desde que consiga 10 pontos porcentuais sobre o segundo colocado. “Foi um triunfo categórico. Uma distância grande da chapa de Macri e da liderada por Mass”, limitou-se a dizer Alberto Pérez, chefe de campanha de Scioli.

Não era possível saber a diferença entre as coalizões de Macri e Massa, dado decisivo para se deduzir se haverá uma polarização até outubro – o que era uma tendência nos últimos meses, pela queda de Massa nas pesquisas -, ou se os opositores travarão uma disputa para enfrentar Scioli em 22 de novembro, no segundo turno. Um triunfo por larga margem de Macri sobre Massa abriria a opção do “voto útil” para o candidato conservador. Um equilíbrio entre os dois opositores favoreceria Scioli.

Adeus – A primária marcou o início da despedida de Cristina Kirchner, que governou o país nos últimos oito anos e permanecerá na Casa Rosada até 10 de dezembro. A presidente votou em Río Gallegos, na Província de Santa Cruz, base política da família. Ela falou que nunca o país passou por uma eleição presidencial sem uma crise institucional. “Neste aspecto, é uma votação inédita.”

Daniel Scioli, Mauricio Macri e Sergio Massa, os principais candidatos à presidência da Argentina Daniel Scioli, Mauricio Macri e Sergio Massa, os principais candidatos à presidência da Argentina

Daniel Scioli, Mauricio Macri e Sergio Massa, os principais candidatos à presidência da Argentina (/)

(com Estadão Conteúdo)