Clique e assine a partir de 9,90/mês

Kim Jong-un envia a Washington proposta de novo encontro com Trump

Segunda reunião poderá acontecer em fevereiro no Vietnã; avanço da desnuclearização da Coreia do Norte ainda é desapontador

Por Da Redação - Atualizado em 18 jan 2019, 17h01 - Publicado em 18 jan 2019, 16h42

Considerado o braço direito de Kim Jong-un, o chefe da inteligência da Coreia do Norte, Kim Yong-chol, reúne-se na tarde desta sexta-feira, 18, como secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em Washington. O enviado especial leva uma nova carta de do líder norte-coreano na qual propõe um segundo encontro com o presidente americano, Donald Trump.

Em um esforço paralelo para comunicar-se com a Casa Branca, Kim enviou para a Suécia a sua vice-ministra do Exterior, Choe Son-hui, para um encontro com o representante especial do governo americano para a Coreia do Norte, Stephen Biegun.

Em princípio, o próximo encontro Kim-Trump deve ser sediado no Vietnã, em fevereiro, quando o líder norte coreano terá uma visita de Estado a Hanói. O tema que liga ambos os líderes é o processo de desnuclearização da Coreia do Norte, em que troca poderá ver levantadas as sanções econômicas americanas sobre o país.

Recentemente, o governo norte-coreano voltou a intensificar suas atividades diplomáticas. Kim visitou a China no começo de janeiro para conversas com o presidente Xi JinpingDesde junho de 2018, quando ele manteve um encontro histórico com Trump em Cingapura, pouco progresso se deu nos planos desnuclearização da Coreia do Norte.

Continua após a publicidade

Os encontros em Washington e de Estocolmo podem acertar a agenda do futuro encontro entre os líderes. Em seu discurso de Ano Novo, Kim disse estar comprometido com a desnuclearização acertada em Cingapura, mas avisou que poderia mudar de ideia se as sanções dos Estados Unidos contra o país não fossem totalmente revogadas.

O general Kim Yong-chol é um ex-espião que emergiu como principal negociador nas conversas recentes com o governo dos Estados Unidos. Figura controversa, foi acusado por planejar ataques a navios de guerra da Coreia do Sul durante seu tempo como chefe da inteligência militar, em 2010.

Encontro com Trump

O alto funcionário da Coreia do Norte desembarcou na noite de quinta-feira em Washington, acompanhado da diretora do Departamento do Frente Unida, Kim Song-hye, e o diretor-geral do departamento para assuntos americanos do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano, Choe Kang-il.

De acordo com a imprensa, a delegação norte-coreana não tem planos de deixar a capital norte-americana até sábado, 19, o que deixa amplo espaço para uma possível com o próprio Donald Trump. A Casa Branca não se pronunciou sobre essa possibilidade. Kim Yong-chol esteve em Washington em junho do ano passado, quando entregou a Trump uma carta do líder norte-coreano.

Continua após a publicidade

(com EFE, Reuters)

Publicidade