Clique e assine com 88% de desconto

Khamenei chama Trump de “palhaço” por pretender apoiar os iranianos

Em rara aparição pública, líder supremo do Irã defende Guarda Revolucionária por queda de avião ucraniano

Por Da Redação - Atualizado em 17 jan 2020, 13h16 - Publicado em 17 jan 2020, 12h44

Em seu primeiro sermão publico desde 2012, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, chamou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de “palhaço” nesta sexta-feira, 17, por pretender dar apoio aos iranianos e fincar-lhes uma adaga pelas costas. Sua declaração responde às manifestações de Trump de suporte à população do país.

No sermão, o líder defendeu a Guarda Revolucionária Iraniana (GRI) da crescente indignação popular causada pelo abate de uma aeronave ucraniana. Todos os 176 passageiros e tripulantes morreram. Khamenei descreveu a queda do avião como “uma tragédia amarga” utilizada pelos “inimigos do Irã” para “enfraquecer” a guarda revolucionária.

“A queda do avião foi uma tragédia amarga. Ela queimou nossos corações”, disse o líder supremo em Teerã, capital do país. “Mas tentaram representá-la de uma maneira que ocultasse o grande martírio e sacrifício [do general Qasem Soleimani].”

Comandante das forças de elites da GRI, Soleimani fora morto em ataque aéreo dos Estados Unidos em Bagdá no último dia 3. Cinco depois, o Irã disparou dezenas de mísseis balísticos contra as  bases de Al Asad e Erbil, no Iraque, que abrigam tropas americanas. Na mesma noite de 8 de janeiro, o avião civil ucraniano foi derrubado em Teerã. O governo iraniano admitiu a culpa pelo abate da aeronave somente três dias depois.

Publicidade

Nossos inimigos estavam tão felizes com o acidente de avião quando nós estávamos tristes. Ficaram felizes em encontrar algo para questionar a Guarda (revolucionária), o Exército e o nosso sistema”, completou Khamenei.

Durante o sermão, Khamenei comemorou o ataque contra as tropas americanas, dizendo que foi um “tapa com a mão de Deus contra os Estados Unidos”. “O fato de o Irã ter o poder de dar um tapa em uma potência mundial mostra a mão de Deus ao nosso lado”, afirmou.

Após a queda da aeronave, iranianos foram às ruas para protestar contra o regime e pedir a renúncia de Khamenei. Espalhados pelas principais cidades do país, manifestantes pisavam em fotos de Soleimani e cantavam palavras de ordem contra o governo. Khamenei questionou em seu sermão as “poucas centenas” de pessoas que vandalizaram a imagem do general. “São eles os iranianos de verdade?”.

 

Publicidade