Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Kamala Harris: ares inovadores em perfil moderado parecido com o de Biden

Pragmática, a senadora negra circula com desenvoltura entre os caciques do partido e tem perfil aceitável para os eleitores cativos

Por Julia Braun, Caio Saad Atualizado em 14 ago 2020, 18h39 - Publicado em 14 ago 2020, 06h00

Jovem e relativamente novato na política, Barack Obama, ao se firmar como candidato democrata à Casa Banca em 2008, escolheu para vice o veterano senador Joe Biden, uma raposa política. Sagrado agora para disputar com Donald Trump a eleição de novembro, Biden, aos 77 anos, também usou a tática da diferença de idade, só que ao contrário: optou por Kamala Harris, 55 anos, senadora em primeiro mandato. Com Kamala, Biden emplaca uma vice como nunca se viu: mulher, negra e de descendência asiática (pai jamaicano, mãe indiana). Kamala entra na corrida para, como se diz, compor com Biden. Ela, como ele, é moderada e pragmática, circula com desenvoltura entre os caciques do partido e tem perfil aceitável para os eleitores cativos. “Candidatos a vice raramente mudam o rumo da campanha, mas podem causar problemas. Harris tem experiência e qualificação”, afirma John Pitney, especialista em política americana da Claremont McKenna College, da Califórnia.

Embora o vice seja, por definição, alguém talhado para viver na sombra, o processo de sua escolha é repleto de nuances. Ele tem de ter certa luz própria, mas não pode embaçar a do chefe. Precisa agradar a quem não gosta tanto assim do primeiro da chapa, mas sem desagradar aos que já decidiram votar nele. No caso americano, deve fazer diferença nos cobiçadíssimos estados-gangorra, que pendem ora para um partido, ora para outro. Kamala, ao que tudo indica, cumpre esses e outros requisitos: nasceu e fez carreira na Califórnia, estado-chave no Colégio Eleitoral, preenche a cota feminina obrigatória da chapa democrata neste ano (leia a coluna de Vilma Gryzinski, ao lado) e traz consigo o reconhecimento e a experiência adquiridos no quase um ano em que disputou com Biden (e mais duas dezenas de esperançosos) a indicação democrata à Presidência. “Joe é o líder que nos fará avançar, e eu sinto orgulho de estar ao seu lado”, declarou ela na primeira entrevista conjunta, pondo uma pedra no único momento épico de sua pré-campanha, ao atacar justo Biden por ter votado contra o fim da segregação racial nos ônibus escolares. “Havia uma garotinha na Califórnia que fazia parte da segunda turma mista em sua escola e ela ia de ônibus todo dia. Aquela garotinha era eu”, disse na época, deixando-o sem fala. Pazes feitas, os dois se uniram para desancar Trump, cujas trapalhadas são o maior motivo para Biden estar à frente nas pesquisas.

Advogada de formação, Kamala fez carreira como promotora e secretária estadual da Justiça, com um empurrãozinho do namorado poderoso, o deputado estadual Willie Brown (depois prefeito de São Francisco). Quase vinte anos mais tarde, o romance ainda lhe dá dor de cabeça, porque Brown era trinta anos mais velho e, embora separado, não se divorciara da mulher. Bonita, segura e bem-sucedida, Kamala só se casou em 2014, com o advogado (branco) Douglas Emhoff. A escolha da vice foi um banho de água fria na estridente ala esquerda do partido e um alívio para o establishment democrata — mais ou menos como a indicação do próprio Biden. Se a dupla ganhar, em 2024, com 81 anos, ele provavelmente dispensará a reeleição. Nesse caso, a candidatura, por tradição, cairia no colo de Kamala Harris. Estariam os Estados Unidos preparados para tanta correção política?

Publicado em VEJA de 19 de agosto de 2020, edição nº 2700

Continua após a publicidade
Publicidade