Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça faz buscas no escritório do Uber em Buenos Aires

Procuradoria entende que, além de exercer atividade lucrativa sem autorização, a empresa não exige registro profissional nem seguro para os passageiros

A Justiça da Argentina autorizou o cumprimento nesta quinta-feira de mandados de busca em um escritório do Uber em Buenos Aires, assim como em domicílios de vários de seus gerentes e de motoristas associados, em uma causa que investiga a atividade do aplicativo americano na capital argentina. O serviço Uber começou a funcionar no último dia 12 de abril na capital argentina e, apesar de a Justiça ter ordenado sua paralisação, continua funcionando.

A procuradoria da capital argentina explicou nesta sexta em comunicado que a causa aberta contra a empresa já conta com mais de 20 acusados e começou por infringir uma norma que proíbe a utilização do espaço público com fins lucrativos. Além disso, agora a empresa soma outros delitos como o não cumprimento da ordem de fechamento preventivo de suas operações imposta pela Justiça em 22 de abril e por exercer ilegalmente uma atividade ao ter excedido os limites de sua licença para dirigir, em relação aos motoristas associados.

Leia também
Argentino morre ao cair de cachoeira enquanto tirava selfie
Juiz argentino ordena a prisão da líder das Mães da Praça de Maio
Ataque de peixes carnívoros deixa 60 feridos na Argentina

As operações foram realizadas no escritório do Uber Argentina no centro da capital, assim como nos domicílios particulares de dois executivos que estiveram a cargo da companhia até junho e outros dois gerentes atuais. Os demais procedimentos foram efetuados em casas particulares de motoristas associados.

A procuradoria ressaltou também que, além de exercer uma atividade lucrativa no espaço público sem a habilitação necessária, a empresa não exige registro profissional de seus associados nem seguro para os passageiros. Além disso, os procuradores entendem que o funcionamento põe em risco a segurança dos passageiros.

(Com agência EFE)