Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça espanhola arquiva caso de corrupção contra Garzón

Juiz foi proibido a exercer a profissão por 11 anos na semana passada

Por Da Redação 13 fev 2012, 09h49

A Justiça espanhola arquivou nesta segunda-feira um dos casos contra o juiz Baltasar Garzón, acusado de corrupção por rejeitar uma acusação contra um banco espanhol depois que este financiou cursos que o magistrado ministrou em 2005 e 2006 em Nova York. O arquivamento acontece quatro dias depois de Garzón ter sido proibido por 11 anos a exercer a profissão por autorizar escutas ilegais das conversas de advogados dos principais acusados em um outro caso de corrupção.

O Tribunal Supremo espanhol decidiu nesta segunda arquivar o caso de corrupção, batizado de “caso de Nova York”, “por prescrição dos fatos imputados”. A acusação, exercida pelo princípio da “acusação popular”, que permite a qualquer pessoa na Espanha apresentar uma demanda mesmo que não esteja diretamente prejudicada pelo suposto delito, pedia para Garzón uma pena de cinco anos de prisão e 30 de inabilitação.

Caso – Cinco grandes empresas espanholas patrocinaram uma série de cursos que o magistrado espanhol, famoso em todo o mundo pela detenção de Augusto Pinochet em 1998 em Londres, ministrou em 2005 e 2006 no Centro Rei Juan Carlos da Universidade de Nova York. Posteriormente, o juiz arquivou uma denúncia de crime fiscal contra uma dessas empresas, o que levou às acusações de corrupção.

Apesar de ter encontrado indícios de delito, o juiz de instrução do caso, Manuel Marchena, deu razão à defesa e à promotoria, que defendiam a prescrição do caso, já que o último patrocínio foi recebido em maio de 2006 e a acusação admitida em janeiro de 2010, mais de três anos depois.

O juiz enfrenta ainda uma terceira acusação, por excesso de autoridade por tentar investigar desaparecimentos da ditadura franquista (1939-75), violando uma anistia de 1977 dos crimes cometidos na época. Ele tentou justificar a ação dizendo que “nenhuma anistia pode cobrir crimes contra a humanidade”.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês