Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Justiça do Quênia prende 54 empresários e servidores por corrupção

Órgão de treinamento para Forças Armadas não justificou quase 150 milhões de euros em despesas nos últimos dois anos

Por Da Redação
28 Maio 2018, 14h58

A Promotoria do Quênia determinou nesta segunda-feira (28) a prisão de 40 funcionários públicos e 14 empresários pelo desvio de 76 milhões de euros (quase 330 milhões de reais) do Serviço Nacional de Juventude (NYS), órgão que treina jovens que farão parte das Forças Armadas.

A acusação formal será feita amanhã (29). Eles serão acusados, entre outros crimes, de falsificação, abuso de poder e fraude.

O diretor-geral do NYS, Richard Ndubai, e a secretária principal do órgão, Lillian Omollo, estão entre os presos, junto com outros ex-funcionários públicos e vários empresários do país.

Segundo os promotores, o órgão firmava contratos de mais de 500.000 euros (2,1 milhão de reais), que não eram cumpridos, ou pagava duas vezes pelo mesmo serviço. Algumas das empresas chegaram a receber 14 milhões de euros (60 milhões de reais) do esquema, sem prestar nenhum serviço previsto.

Continua após a publicidade

O jornal The Standart afirmou que o NYS não justificou quase 150 milhões de euros (650 milhões de reais) em despesas realizadas nos últimos dois anos. Não foi possível verificar para onde foi esse dinheiro.

O procurador-geral do Quênia, Noordin Haji, afirmou em entrevista coletiva que o país vai redobrar a luta contra a corrupção e acabar com um problema que está gerando impactos na economia.

Continua após a publicidade

Haji também indicou que a Justiça bloqueou as contas bancárias dos suspeitos para tentar recuperar os recursos que sumiram.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, prometeu combater a corrupção quando chegou ao poder em 2013. No entanto, seus críticos afirmam que ele não atuou com firmeza para punir os funcionários do alto escalão do governo envolvidos em ilícitos.

Sem citar o escândalo, Kennyata enviou uma mensagem aos corruptos. “Não vamos tolerar pessoas sem ética. Gente com responsabilidade deve estar preparada para servir, e não para se servir do governo”, afirmou o presidente.

Continua após a publicidade

(Com EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.