Clique e assine a partir de 9,90/mês

Justiça de Nova York condena sobrinhos de Maduro

Desde 2012, a Venezuela está no radar das autoridades dos Estados Unidos por causa do envolvimento de militares e líderes chavistas com o narcotráfico

Por Da redação - Atualizado em 20 nov 2016, 11h29 - Publicado em 20 nov 2016, 11h27

Um tribunal de Nova York condenou na noite desta sexta-feira os dois sobrinhos do presidente venezuelano Nicolás Maduro, Antonio Campos Flores e Francisco Flores de Freitas. Ambos foram considerados culpados por entrar nos Estados Unidos com 800 quilos de cocaína. Os dois foram presos há um ano no Haiti durante uma operação da agência antidrogas americana, a DEA, e agora podem ser condenados à prisão perpétua.

Segundo as autoridades dos EUA, Freitas e Flores iriam usar o dinheiro para ajudar a família a continuar no poder na Venezuela. Maduro e sua mulher Cilia Flores nunca fizeram comentários públicos sobre o caso. Os dois spbrinhos detidos foram indiciados em Nova York sob a acusação de tráfico internacional de drogas, provocando constrangimento ao presidente venezuelano. Antonio é filho da irmã de Cilia Flores, mulher de Maduro. O casal o criou desde criança.

Leia também
O colapso da saúde na Venezuela
Comerciante venezuelano usa balança para contar dinheiro
Deputado venezuelano é libertado depois de mais de 2 anos preso 

Desde 2012, a Venezuela está no radar das autoridades dos Estados Unidos por causa do envolvimento de militares e líderes chavistas com o narcotráfico. Em 2012, o ex-juiz Eládio Aponte Aponte revelou a existência do Cartel dos Sóis – nome em referências às divisas que os generais carregam no uniforme. Segundo ele, o tráfico de drogas no país é coordenado por militares, sobretudo pelo presidente da Assembleia Nacional Diosdado Cabello.

Em janeiro deste ano, o ex-guarda-costas de Cabello, Leamsy Salazar, se exilou nos Estados Unidos e revelou a intrincada rede de corrupção e tráfico de drogas chefiada por Cabello e membros da alta cúpula do governo, entre eles, o filho do ex-presidente Chávez, Hugo Chávez Colmenares.

Continua após a publicidade

(Com ANSA)

Publicidade