Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça chilena autoriza homenagem a Augusto Pinochet

Organizações de direitos humanos haviam pedido a proibição do evento

A Justiça chilena rejeitou nesta sexta-feira um recurso judicial apresentado por órgãos de defesa dos direitos humanos para proibir um ato em homenagem ao ex-ditador Augusto Pinochet programado para este domingo.

O recurso foi apresentado esta semana pelo Grupo de Familiares de Presos-Desaparecidos (AFDD). O evento, que será realizado em um teatro do centro de Santiago, vai promover a exibição do documentário Pinochet, longa-metragem sobre o governo do ex-ditador.

“Mais uma vez, o Poder Judiciário está do lado dos que violam os direitos humanos”, protestou a presidente do AFDD, Lorena Pizarro.

A resolução foi aprovada pela Corte de Apelações de Santiago, que considerou improcedente impedir o evento, uma vez que o mesmo será realizado em um local privado. O governo assinalou que, embora não concorde com o motivo do ato, o direito de reunião deve ser respeitado.

Leia também:

Leia também: Chile: regime de Pinochet volta a ser denominado ‘ditadura’

Evento – Organizado pela Corporação 11 de Setembro, cujo nome lembra o dia do golpe de Estado de 1973 contra o governo do presidente socialista Salvador Allende, o ato foi convocado para as 11h locais deste domingo.

Os organizadores esperam reunir 4 mil pessoas, e os ingressos custam entre 10 e 30 dólares. “Estamos determinados em preservar a verdade sobre o que foi o governo das Forças Armadas e a memória do general Pinochet”, disse o general reformado Juan González, presidente da Corporação.

Protesto – Paralelamente, grupos de direitos humanos convocaram para o mesmo dia um protesto nos arredores do teatro. Nas redes sociais, multiplicam-se os chamados pelo comparecimento ao protesto, para repudiar a figura do ex-ditador.

“Não podemos permitir que se siga exaltando a figura de Pinochet e desvirtuando a História. Pinochet e seus cúmplices foram assassinos e torturadores de milhares de pessoas, e disso não iremos esquecer”, disse Ximena Arriaza, da Corporação de Promoção e Defesa dos Direitos do Povo (Codepu).

O governo montará uma operação especial nas imediações do teatro, localizado a poucas quadras do palácio presidencial chileno.

(Com agência AFP)