Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Justiça argentina abre mais um processo contra vice-presidente

Amado Boudou agora vai responder por falsificação de documentos envolvendo a compra de um carro nos anos 90

Por Da Redação 8 ago 2014, 16h06

A Justiça da Argentina decidiu abrir nesta sexta-feira mais um processo contra o vice-presidente do país, Amado Boudou. Desta vez, ele vai responder por falsificação de documentos relativos à compra de um automóvel nos anos 90.

A investigação sobre o caso foi aberta em 2009. Nos últimos meses, Boudou chegou a prestar um depoimento sobre o caso, em que culpou os despachantes que cuidaram da transação. Mas o juiz Claudio Bonadio acabou entendendo que Boudou usou um formulário falso e com datas alteradas para transferir para seu nome um veículo Honda CRX Del Sol ano 92. De acordo com o juiz, peritos apontaram irregularidades na documentação apresentada por Boudou à época da transferência.

Leia também:

Vice-presidente da Argentina é processado por corrupção

Após dar calote, Cristina Kirchner anuncia medidas para incentivar a economia

Continua após a publicidade

Presidente da Avós da Praça de Maio encontra neto após 36 anos

Não está claro por que Boudou teria cometido o crime. A Justiça suspeita que ele adiantou propositalmente a data no documento de compra de 1993 para 1992 para não ter que dividir o veículo com sua ex-mulher, registrando assim que a transação teria ocorrido antes do seu casamento. Um dos erros apontados é que na data forjada para a compra – outubro de 1992 -, o veículo nem estava na Argentina: aguardava transporte do Japão para a América Latina.

Além de Boudou, a Justiça decidiu processar Agustina Seguin, uma ex-namorada de Boudou que utilizava o carro à época da tramoia, e María Graciela Taboada de Piñero, a despachante que comandou o processo.

Ao se inteirar do caso, a oposição argentina aproveitou para pedir novamente o afastamento do braço direito de Cristina Kirchner. O vice já estava enrolado na Justiça por causa do chamado “Caso Ciccone”, que em junho resultou na abertura de um processo criminal por suspeita de corrupção contra ele.

Gráfica – Em julho de 2010, em investigação de vantagem comercial indevida, o Fisco argentino pediu à Justiça a quebra do sigilo da gráfica Ciccone, que mantém contratos com o governo e vende papel moeda ao Banco Central argentino. A Justiça suspendeu o pedido três meses mais tarde por solicitação da própria empresa, que negociou um plano de pagamentos de multas à Receita. Uma investigação descobriu que o Ministério da Economia, pasta então ocupada por Amado Boudou, teria pressionado o Fisco para favorecer a empresa.

Depois do episódio, a companhia foi vendida para o fundo de investimentos The Old Fund, presidida por Alejandro Vandenbroele, que é apontado como testa de ferro de Boudou, embora o vínculo tenha sido negado pelo vice-presidente. Amado Boudou deixou a pasta de Economia depois das eleições de 2011 para ocupar a vice-presidência, mas as denúncias ofuscaram sua carreira política e seus planos de suceder Cristina Kirchner na Presidência do país.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês