Clique e assine com até 92% de desconto

Julgamento do maior escândalo de corrupção da história do país começa amanhã

Por Da Redação 1 ago 2012, 11h56

Eduardo Davis.

Brasília, 1 ago (EFE).- O Supremo Tribunal Federal (STF) começará a julgar nesta quinta-feira os 38 acusados de participar do maior escândalo de corrupção da política brasileira, o mensalão, que abalou o governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

‘Foi o mais ousado e escandaloso esquema de corrupção e desvio de dinheiro público descoberto no Brasil’, segundo afirmou o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no documento que enviou ao Supremo para solicitar a abertura do julgamento, que tem 44.265 páginas repletas do que considera ‘provas documentais’.

O processo é qualificado por juristas e analistas políticos como o ‘maior julgamento por corrupção’ da história do país, tanto pela quantidade de acusados como pela importância de muitos deles, entre eles vários antigos e fiéis escudeiros de Lula, que, apesar de estar no meio de todas as suspeitas, não foi processado.

O mais proeminente de todos é José Dirceu, que em 2002 coordenou a campanha que levou Lula pela primeira vez ao poder e até antes de explodir os escândalos, há sete anos, foi ministro da Casa Civil e principal articulador político do governo.

O caso que o Supremo analisará se refere a denúncias sobre uma suposta trama financeira ilegal para financiar a campanha de Lula, que depois foi mantida para subornar dezenas de deputados e ‘comprar’ seus votos. Segundo a Polícia Federal, o esquema desviou R$ 101 milhões.

O escândalo foi revelado pelo ex-deputado Roberto Jefferson, outro dos acusados e atual presidente do PTB, que em junho de 2005 declarou que o PT havia pagado R$ 4 milhões pelo apoio do partido ao governo Lula.

No banco dos réus também estarão o ex-presidente do PT e atual assessor do Ministério da Defesa, José Genoino, e o então tesoureiro do PT, Delúbio Soares.

Além disso, deverão apresentar-se perante o STF o ex-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência, Luiz Gushiken, e o ex-presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha, ambos do PT, que, por esse caso, se viu obrigado a renovar toda sua direção nacional em 2005.

Continua após a publicidade

O único dos dirigentes do partido na época que não será julgado é Sílvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, que chegou a um acordo com a Justiça e trocou uma eventual condenação por serviços comunitários pelo período de três anos.

Outro processado é o publicitário Duda Mendonça, que cuidou da imagem de Lula na campanha de 2002 e confessou que parte do pagamento por seus serviços foi depositada pelo PT em contas que precisou abrir em paraísos fiscais.

Fora do âmbito político, o mais importante dos acusados é o publicitário Marcos Valério Fernandes, qualificado pelo Ministério Público como ‘um verdadeiro profissional do crime’.

Marcos Valério é apontado como ‘diretor financeiro’ do esquema e também como o ‘homem das malas’ de dinheiro, que supostamente entregava pessoalmente aos parlamentares subornados.

Suas duas agências de publicidade levavam as contas de diversos organismos públicos, dos quais se suspeita ter saído o dinheiro que permitiu ‘comprar’ os votos no Congresso, e em 2002 financiou parte da campanha de Lula e muitos candidatos do PT e outros partidos.

Segundo comprovou o Ministério Público, o patrimônio de Valério se multiplicou 60 vezes entre 2003 e 2004, os dois primeiros anos de mandato de Lula.

Os processados são 22 antigos dirigentes de quatro partidos políticos, três ex-diretores do Banco Rural e outro do Banco do Brasil, três operadores do mercado financeiro, um ex-funcionário do Ministério do Trabalho e oito empresários do ramo da publicidade.

Os 38 acusados devem responder por peculato, lavagem de dinheiro, corrupção e fraude, crimes pelos quais podem pegar penas de até 45 anos de prisão. As primeiras sentenças devem ser anunciadas em meados de setembro.

A primeira sessão, que será realizada nesta quinta-feira, se dedicará à leitura de acusações, e nas nove seguintes serão escutadas as alegações dos advogados de defesa. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade