Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juiz acusa Cristina de perseguir magistrados

Daniel Ostropolsky diz ser inaceitável pressão de autoridades sobre o Judiciário

Um juiz que integra o Conselho Judicial da Argentina (órgão que define os novos juízes argentinos, atuando de forma conjunta com a Suprema Corte local) acusa o governo de perseguir os membros que não estão ‘de forma clara’ de acordo com kirchnerismo.

De acordo com reportagem do jornal Clarín, que também sofre uma perseguição da gestão de Cristina Kirchner em razão de seu posicionamento contrário ao seu governo, o juiz Daniel Ostropolsky afirmou que as autoridades agem de forma “absolutamente inaceitável” ao tentar decidir como ele, e outros juízes de oposição, devem votar sobre um determinado assunto.

Leia mais: Clarín teme expropriação após ameaça de Cristina

A declaração faz menção ao caso do próprio Clárin, que no próximo dia 7 de dezembro pode ser expropriado por não estar de acordo com a regulamentação prevista pela Lei da Mídia, outorgada em 2009, que prevê que empresas privadas de comunicação não tenham mais que um canal na TV aberta em uma mesma localidade.

O decreto, estabelecido sob o argumento de evitar os monopólios de comunicação dentro do país, é considerado uma ferramenta de Cristina para desmanteler empresas de comunicação de orientação opositora. O juíz, que é integrante da Câmara Civil e Comercial Federal (que trabalha junto ao Conselho Judicial), tem o poder de intervir na causa do grupo de comunicação.

Leia também:

Argentina: crítico de Cristina Kirchner é afastado de cargo

Cristina avança contra imprensa e lança revista grátis

Além disso, a imprensa tem publicado reportagens sobre a tentativa de autoridades do governo de Cristina indicar juízes simpatizantes ao regime entre os magistrados que irão decidir o futuro do Grupo Clarín – o maior conglomerado de comunicação na Argentina.

Saiba mais:

Cristina agora quer saber qual jornal os argentinos leem

Presidente fala na TV pela 17ª vez no ano e irrita argentinos