Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juan Manuel Santos anuncia delegação que negociará com as Farc

Grupo do governo, que será liderado pelo ex-vice-presidente Humberto de la Calle (1994-1996), contará com outras cinco pessoas

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou nesta quarta-feira os nomes que formarão a equipe de negociadores no marco do processo de paz com o grupo guerrilheiro Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Os terroristas devem anunciar seus delegados nos próximos dias.

A delegação do governo, que será liderada pelo ex-vice-presidente Humberto de la Calle (1994-1996), também contará com o sindicalista Luis Carlos Villegas, o ex-diretor da polícia nacional, o general reformado Oscar Naranjo, o ex-comandante das forças militares, o general reformado Jorge Enrique Mora Rangel, o ex-ministro do Meio Ambiente e ex-comissário da paz, Frank Pearl, e o assessor presidencial Sergio Jaramillo.

Leia também: TV chavista sugere que Colômbia e Farc concordaram em negociar paz

Apesar de a equipe negociadora principal ser formada por estes seis delegados, as partes poderão designar um total de 30 pessoas para participar nos diálogos de paz, disse o presidente colombiano em cadeia nacional. Ele explicou que os demais participantes acompanharão o processo e estarão prontos para se sentar à mesa de negociações dependendo dos temas a serem tratados.

Em seu discurso, Santos ainda insistiu que vai pedir apoio da comunidade internacional e destacou que as conversações terão um prazo, que ‘será medido em meses, não em anos’. “Começa agora a segunda e mais importante fase (do processo). O caminho é difícil. Tem muitos obstáculos, muitos inimigos, mas se trabalharmos com confiança e vontade, vamos conseguir o que queremos”, concluiu.

Santos anunciou na última terça-feira que o processo de paz entre o governo da Colômbia e a guerrilha será iniciado na primeira quinzena de outubro em Oslo e depois terá continuidade em Havana. A iniciativa foi confirmada pelas Farc no mesmo dia.

Saiba mais:

Saiba mais: O “marxismo” do pó das Farc e o RAP copularam, e a cria saiu do coração das trevas