Clique e assine com 88% de desconto

Juan Guaidó e Bolsonaro se reúnem em Brasília

O venezuelano chegou ao Palácio do Planalto às 13h50, acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo

Por Da redação - Atualizado em 28 fev 2019, 14h52 - Publicado em 28 fev 2019, 14h16

O presidente Jair Bolsonaro se reúne nesta quinta-feira, 28, com o autoproclamado presidente interino e líder da oposição da Venezuela, Juan Guaidó.

O venezuelano chegou ao Palácio do Planalto às 13h50, acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e passou pelo tapete vermelho estendido em uma das portarias laterais do edifício principal. Os Dragões da Independência fizeram as honras na entrada.

Apesar de o Brasil reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela, o encontro não é considerado uma visita de Estado e acontece no gabinete de Bolsonaro. 

Após o encontro com o presidente, o opositor de Nicolás Maduro participará de uma coletiva de imprensa por volta das 14h30. O também presidente da Assembleia Nacional da Venezuela ainda deve se encontrar com o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Publicidade

Mais cedo, também pelo Twitter, o ministro Ernesto Araújo disse que a diplomacia brasileira continua com seu “apoio irreversível e incondicional à libertação” do país vizinho.

Guaidó chegou esta madrugada em Brasília em um voo da Força Aérea da Colômbia. O venezuelano já se reuniu com diplomatas dos países da União Europeia (UE), na representação do bloco em Brasília, a Casa da União Europeia, pela manhã

“Em nosso encontro com os embaixadores dos países da União Europeia, continuamos a fortalecer as relações com nações que reconheceram nossos esforços para recuperar a democracia na Venezuela e obter eleições livres”, escreveu no Twitter. “Apreciamos o forte apoio internacional dado à nossa rota e apoio à ajuda humanitária. É hora de avançar para conseguir a cessação da usurpação que porá fim à crise na Venezuela, recuperará nosso país e estabilizará a região”, completou.

Guaidó ambém participou de almoço na residência de embaixador do Canadá, em Brasília. Sua equipe agora estuda a possibilidade de uma visita a Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela.

Publicidade

O jovem líder opositor deve deixar o Brasil na sexta-feira, 1, mas ainda não há informações sobre qual será o seu próximo destino.

Muito se discute se Guaidó conseguirá retornar ao seu país, já que Maduro ordenou o fechamento das fronteiras da Venezuela com a Colômbia e com o Brasil. Além disso, o chavista já afirmou que seu opositor responderá na Justiça assim que chegar em Caracas. 

Publicidade

Guaidó é investigado pelo procurador-geral chavista Tarek William Saab por suas ações contra “a paz, a economia e o patrimônio” da Venezuela. Como parte do processo, ele foi submetido a medidas cautelares, entre elas a proibição de deixar o país.

“Ele não pode simplesmente ir e vir. Ele terá que enfrentar a Justiça e a Justiça o proibiu de deixar o país”, afirmou Maduro na segunda. 

O presidente interino, contudo, garante que “em breve” retornará para seu país com o objetivo de “exercer” funções na Câmara e como chefe de Estado.

Os países que não reconhecem o presidente Nicolás Maduro alegam que sua releição foi fraudulenta. Diante desse cenário, Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, se autoproclamou em 23 de janeiro como governante interino.

Publicidade

Os Estados Unidos submeterão a votação no Conselho de Segurança da ONU nesta quinta-feira um projeto de resolução que exige eleições presidenciais na Venezuela e entrada “sem exigências” da ajuda humanitária com alimentos e remédios.

Contudo, o chanceler chavista Jorge Arreaza pediu nesta quarta-feira uma reunião entre Maduro e Donald Trump, mas o vice-presidente americano, Mike Pence, rechaçou essa possibilidade.

“A única coisa para ser discutida com Maduro neste momento é a hora e a data de sua saída”, escreveu no Twitter Pence, acrescentando a hashtag em espanhol #VenezuelaLibre”.

(Com Agência Brasil)

Publicidade