Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Jovem é baleada na cabeça e morre durante protestos em Mianmar

Organizações de direitos humanos afirmam que ela foi atingida por tiro disparado pelas forças de segurança, que reprimem atos contra o golpe militar

Por Da Redação Atualizado em 19 fev 2021, 09h32 - Publicado em 19 fev 2021, 09h14

Uma jovem foi atingida por um tiro na cabeça durante um protesto em Naipyido, em Mianmar, e morreu nesta sexta-feira, 19, no hospital onde estava internada. A morte de Mya Thwe Thwe Khine é a primeira de um manifestante como resultado da violência exercida pelas forças de segurança contra os atos que se espalharam por todo o país para mostrar sua rejeição ao golpe de Estado do Exército ocorrido no início do mês.

Mya Thwe Thwe Khine, de 20 anos, que estava internada em estado crítico em um hospital da capital, morreu hoje após ter sido retirada da assistência vital às 11h15 (hora local) com a permissão de sua família, informou seu médico à ONG Human Rights Watch (HRW). A jovem foi atingida por um tiro na cabeça disparado por uma submetralhadora do tipo Uzi, enquanto protestava contra a junta militar.

De acordo com a análise de vídeos e fotos feitas por várias organizações humanitárias, a jovem caiu ao chão ao ouvir um tiro enquanto se afastava da linha de frente de uma manifestação que estava sendo interrompida pela polícia utilizando canhões d’água.

Embora o Exército tenha afirmado que apenas armas não letais foram utilizadas naquele protesto, tanto a Anistia Internacional como a HRW certificaram que a jovem foi atingida na cabeça por munições reais disparadas pelas forças de segurança. Após sua morte, o corpo da jovem, que completou 20 anos enquanto estava internada, foi levado do hospital para a casa funerária.

A irmã da vítima, que também confirmou a morte aos meios de comunicação locais, apelou para que “o povo continue a revolução até que ela seja bem sucedida”.

“Os incidentes que levaram à sua morte e as alegações de que a polícia de Mianmar usou munição real devem ser investigados. Acima de tudo, deve haver uma forte condenação internacional e duras consequências contra a junta militar”, disse Manny Maung, pesquisadora da HRW, em sua conta do Twitter.

A morte da jovem ocorreu enquanto os protestos continuam em todo o país contra o golpe militar e para exigir a libertação da líder eleita, Aung San Suu Kyi, presa junto com parte do governo no início do mês.

A junta militar respondeu ao movimento de desobediência civil com o destacamento de soldados nas ruas, diariamente a realização dos cortes de internet à noite e várias leis que minaram os direitos dos cidadãos.

(Com EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)